Skip to main content
Cirandeiras

Cirandeiras

By Cirandeiras

No podcast Cirandeiras, exercitamos a escuta de mulheres brasileiras ousadas que modificam vidas, padrões e territórios. Convidamos você para entrar nessa manifestação coletiva e forte que é a ciranda. E nossa missão começa com um tema que não tem como fugir nas próximas semanas: o novo coronavírus.

Produzido e apresentado por Joana Suarez e Raquel Baster. Instagram @cirandeiraspodcast
Email cirandeiraspodcast@gmail.com
Currently playing episode

Pandemia nas ruas - Uma conversa com Adriana Gomes

Cirandeiras

1x
Ep#37 - Especial Eleições 2022
Ep#37 - Especial Eleições 2022
Você conhece os bastidores e desafios de uma candidata na corrida eleitoral? Nós acompanhamos por dois meses a construção e oficialização das campanhas de duas candidatas a deputada estadual em Minas Gerais nas eleições de 2022. Neste episódio especial, apresentamos o cotidiano e os desafios das candidatas Ana Paula Siqueira (Rede), que tenta a reeleição, e Maria Tereza dos Santos, a dona Tereza (PT), que disputa pela primeira vez.  É preciso coragem para ocupar um espaço de poder e entrar nessa empreitada eleitoral porque ela é muito desigual. Em Minas Gerais, por exemplo, de acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG), entre as 2,5 mil pessoas que vão concorrer a cargos políticos pelo estado neste ano, somente 32% são mulheres. Queremos te ajudar a compreender os caminhos percorridos por candidaturas femininas, e colaborar para que mais representantes feministas possam ser eleitas este ano. Este episódio faz parte da Campanha #CompartilheInformação #CompartilheDemocracia, uma parceria do Cirandeiras com a Artigo 19 e Perifa Connection Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Finalização e edição de som: Fernanda Carvalho Créditos das trilhas sonoras: áudios da TV senado na abertura do episódio e música final 'Desgoverno' de Zeca Baleiro Divulgação: Pedro Miranda Apoio: Artigo 19 e Perifa Connection 
46:21
September 21, 2022
Ep#36 - Derramamento de Petróleo com Maria Eliene Pereira - Temporada Oceanos
Ep#36 - Derramamento de Petróleo com Maria Eliene Pereira - Temporada Oceanos
Maria Eliene Pereira do Vale é pescadora e marisqueira da comunidade de Jardim, no município de Fortim, no Ceará. Aprendeu a pescar e a catar caranguejo em família e a lutar pela sua categoria de pescadora artesanal na catequese e com outras mulheres dos movimentos sociais. Neste episódio da temporada Oceanos do Cirandeiras convidamos Maninha, como gosta de ser chamada, para nos contar sobre as consequências do derramamento de petróleo na costa brasileira ocorrido há quase 3 anos. Os impactos ainda são visíveis e sentidos pelas comunidades tradicionais pesqueiras. Os mares, considerados pulmões do mundo, têm sofrido muito com as instalações de grandes empreendimentos sob a justificativa de desenvolvimento e conquista de energia limpa. E são as comunidades onde Maninha vive que vêm nos chamando a atenção para a necessidade de preservação de nossas águas. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Finalização e edição de som: Fernanda Carvalho Créditos das trilhas sonoras: Thayana Barbosa Divulgação: Pedro Miranda Apoio: Calouste Gulbenkian Foundation (UK Branch), Internews Environmental Journalism Network (EJN) e UN Ocean Conference Links relacionados: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/de-onde-vem-o-oxigenio-que-respiramos/ http://www.ibama.gov.br/manchasdeoleo-localidades-atingidas http://www.ibama.gov.br/phocadownload/emergenciasambientais/2020/manchasdeoleo/ibama-manchasdeoleo-desmobilizacao-cartilha_v2.pdf http://www.cppnacional.org.br/noticia/mais-de-dois-anos-ap%C3%B3s-chegada-das-manchas-de-petr%C3%B3leo-que-provocaram-o-maior-crime https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2021/12/02/pf-conclui-investigacao-e-diz-que-navio-grego-foi-responsavel-por-derramamento-de-oleo-que-atingiu-litoral-brasileiro.ghtml https://petronoticias.com.br/exxonmobil-recebe-licenca-do-ibama-para-iniciar-perfuracao-de-pocos-em-sergipe-alagoas/ https://racismoambiental.net.br/2020/08/19/pandemia-agrava-situacao-de-marisqueiras-e-pescadores-no-ceara/ https://apublica.org/2022/01/exploracao-de-petroleo-ameaca-a-foz-do-rio-sao-francisco/?amp https://casa.org.br/pesquisa-da-fiocruz-apoiada-pelo-fundo-casa-traz-alivio-e-contribui-com-articulacao-entre-comunidades-atingidas-pelo-vazamento-de-petroleo-no-nordeste/ https://www.wwf.org.br/?76948/Vazamento-de-petroleo-completa-um-ano-sem-solucao
36:56
June 15, 2022
Ep#35 - Suape com Gicleia Maria - Temporada Oceanos
Ep#35 - Suape com Gicleia Maria - Temporada Oceanos
Neste episódio da temporada Oceanos do Cirandeiras convidamos Gicléia Maria da Silva Santos, pescadora artesanal, do município de Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, para nos contar sobre os impactos do Complexo Portuário e Industrial de Suape. As praias e os manguezais protegidos pelas comunidades tradicionais de pescadores vem perdendo espaço para a destruição ambiental, provocadas pela instalação desse megaprojeto. A retirada forçada de povos de seus territórios e aumento das desigualdades sociais também são consequências. A rotina de antigamente em Cabo de Santo Agostinho era dançar ciranda e coco - manifestações do povo negro, que Gicléia tem orgulho de ter aprendido com a avó Antonieta Maria da Paz. Mas nos últimos anos as danças pararam por conta da pandemia da Covid-19 e também pelas muitas alterações nos modos de vida impostas pelo desenvolvimento econômico do Governo de Pernambuco e das mais de 100 empresas que operam o Complexo de Suape. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Finalização e edição de som: Fernanda Carvalho Créditos das trilhas sonoras: Thayana Barbosa e Casas Populares da BR 232 Divulgação: Pedro Miranda Apoio: Calouste Gulbenkian Foundation (UK Branch), Internews Environmental Journalism Network (EJN) e UN Ocean Conference Links relacionados: https://ejatlas.org/conflict/complexo-industrial-portuario-de-suape-cips-pernambuco-brazil http://suapepeloavesso.marcozero.org/ https://reporterbrasil.org.br/2017/11/suape/ https://prefeitura.cabo.pe.gov.br/pagina/turismo/ https://www.plataformadh.org.br/2018/05/07/plataforma-dhesca-realiza-missao-no-cabo-de-santo-agostinho-pe-para-identificar-violacoes-de-direitos-humanos-e-ambientais-pelo-complexo-industrial-portuario-de-suape/ https://forumsuape.blogspot.com/ documentário Território Suape: https://www.youtube.com/watch?v=4lXNqfoKNwo https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2018/06/04/interna-brasil,686033/ataques-de-tubarao-25-anos-de-medo-nas-praias-em-recife.shtml
38:12
June 01, 2022
Ep#34 - Lama no mar com Eliane Balke - Temporada Oceanos
Ep#34 - Lama no mar com Eliane Balke - Temporada Oceanos
O Cirandeiras está de volta em sua terceira temporada intitulada “Oceanos” que irá navegar por mares atingidos pela exploração humana dos megaprojetos de desenvolvimento no Brasil. Neste primeiro episódio conversamos com Eliane Balke, moradora da comunidade de Barra Nova Sul, ilha de Campo Grande, no município de São Mateus, Espírito Santo. Eliane tem 54 anos, é filha e neta de catadores de caranguejos. Aprendeu em família a pescar e a catar crustáceos. Vivia em um território de fartura e abundância no litoral capixaba, até que em 2015 foi atingida pela lama do rompimento da barragem de Fundão, da mineradora Samarco, em  Mariana, Minas Gerais. E tudo mudou. Sua identidade era a água doce e salgada, suas relações comunitárias eram entrelaçadas com o mangue e o mar. Agora a pimenta rosa se torna alternativa de geração de renda, pelas próprias mãos dela, já que o processo de reparação ainda não saiu do papel - quase 7 anos depois do rompimento. E o mar não pode ser mais seu local de trabalho porque foi contaminado pelos rejeitos da mineradora. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Finalização e edição de som: Fernanda Carvalho Créditos das trilhas sonoras: Thayana Barbosa Divulgação: Pedro Miranda Apoio: por Calouste Gulbenkian Foundation (UK Branch), Internews Environmental Journalism Network (EJN) e UN Ocean Conference Para ler posicionamento Fundação Renova enviado no dia 18 de maio de 2022 via e-mail: https://docs.google.com/document/d/1hC3yRNvMoe0JlHcyS-1_IkU_GAM43W2Y1m7BlN5aito/edit Links relacionados: http://www.mpf.mp.br/grandes-casos/caso-samarco https://www.agazeta.com.br/es/cotidiano/crimes-no-mangue-colocam-em-risco-berco-da-natureza-e-cultura-capixaba-0620 https://portal.fiocruz.br/noticia/estudo-aponta-contaminacao-por-metais-em-peixes-do-rio-doce https://www.otempo.com.br/cidades/tragedia-de-mariana-pesquisadores-apresentam-estudos-de-reparacao-do-rio-doce-1.2608760 https://mab.org.br/2022/02/03/camara-dos-deputados-promove-audiencia-para-discutir-acordo-de-repactuacao-do-rio-doce/ https://www.conjur.com.br/2021-dez-27/cnj-mediara-negociacoes-repactuacao-rio-doce-fevereiro http://www.ibama.gov.br/cif#:~:text=O%20CIF%20%C3%A9%20presidido%20pelo,Bacia%20Hidrogr%C3%A1fica%20do%20Rio%20Doce. http://www.ibama.gov.br/phocadownload/cif/tac-gov/2018-06-25-cif-tac_governanca.pdf
46:09
May 17, 2022
Ep#33 - A Folia de Reis com Grupo Diadorina - Temporada Ritmos
Ep#33 - A Folia de Reis com Grupo Diadorina - Temporada Ritmos
Pedimos licença para abrir o período das folias de reis - 25 de dezembro a 06 de janeiro - com o último episódio da Temporada Ritmos com o grupo Diadorina.  Três irmãs Sajni Damiana, Diana e Daiana Campos formam o grupo a partir do Ponto de Cultura Seu Duchim, no município de Chapada Gaúcha, região norte de Minas Gerais. A partir de pesquisas com as folias de reis e vivências nos terreiros, elas cantam e encantam sobre os modos de vida sertaneja.  As sonoridades dos três reis magos se encontra com os causos de amor e conflito, violência e força, alegria e tristeza do Grande Sertão Veredas de João Guimarães Rosa que juntos dão o tom neste episódio do Cirandeiras. Diadorim, personagem emblemática da obra, símbolo de uma forte renúncia, é inspiração para o grupo Diadorina. Nos despedimos então dessa bonita temporada com muita viola, tambor e pandeiro porque como as irmãs mesmo dizem: "Diadorina não anda sozinha (...) Permitimos conhecer o Sertão a partir da saia da mulher, por não haver forma de maior conhecimento. Quer saber como se vive aqui, permita-se entrar debaixo da saia da rainha do mundo”. Bora brincar de folia no terreiro? Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Finalização e edição de som: Fernanda Carvalho Créditos das trilhas sonoras: grupo Diadorina, grupo de folia de reis Ouro, Incenso e Mirra  e cantigas de domínio público Links relacionados: Grupo Rosa e Sertão - Diadorina http://rosaesertao.blogspot.com/2018/03/diadorina-meu-amor-licenca-senhor-e.html Soundcloud - Diadorina https://soundcloud.com/search?q=DIADORINA Matéria Joana sobre o povo Xacriabá https://projetocolabora.com.br/especial/fome-seca-resistencia-na-terra-indigena-xakriaba/
38:20
December 23, 2021
Ep#32 - O Caboclinho com Taisa Coutinho - Temporada Ritmos
Ep#32 - O Caboclinho com Taisa Coutinho - Temporada Ritmos
Perre, guerra, baião e macumba do caboclo são alguns dos sons de um folguedo bailado chamado Caboclinho. Os brincantes vestidos de indígenas e estalando os arcos flechas, conhecidos como preacas, executam suas danças e manobras nas ruas durante o carnaval. Quem nos conta tudo isso em nosso penúltimo episódio da Temporada Ritmos é Taisa Coutinho, de 29 anos, mestra do grupo Caboclinho Potiguares, da cidade de Goiana, em Pernambuco. Ela nasceu dentro da brincadeira e vem ocupando funções que antigamente eram restritas aos homens, como “chacoalhar um mineiro”. Pegue o fone de ouvido e venha aprender sobre as danças brasileiras seculares e como elas traduzem as representações coletivas a partir de rituais e crenças de nossos povos originários e de matriz africana. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Finalização e edição de som: Fernanda Carvalho Créditos das trilhas sonoras: Grupo Caboclinho Potiguares e  Grupo Caboclinho Sete Flechas Links relacionados: https://corpoemfluxo.com/caboclinhos/ http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/1600 Artigo O Caboclinho como afeto: https://www.revistas.ufg.br/hawo/article/view/65661/36255 Danças Brasileiras Instituto Brincante: https://www.youtube.com/watch?v=p4w-hsnnmSo
25:41
November 23, 2021
Ep#31 - O Samba de roda com Dona Cadu - Temporada Ritmos
Ep#31 - O Samba de roda com Dona Cadu - Temporada Ritmos
“Tem dia, quando estou me arrumando pra sambar, fico transformada” É assim que Ricardina Pereira da Silva, conhecida como Dona Cadu, de 101 anos, de Coqueiros, município de Maragogipe-BA, resume o samba de roda, o ritmo da vez do EP#31 do Cirandeiras. Estamos próximos de finalizar essa temporada e não poderíamos deixar de apresentar o som que reina em praticamente todos os cantos do Brasil. Mas talvez nem todos saibam que o samba vem do semba de origem africana e que se tornou popular no Recôncavo baiano. De lá, inspirou o samba carioca e o país inteiro. E aquela aglomeração gostosa, com samba no pé, é tudo que estamos precisando, né? Enquanto a pandemia da Covid-19 ainda não nos permite essa alegria, vem escutar Dona Cadu, que foi pedra fundamental para que essa manifestação do samba se tornasse patrimônio da humanidade e desconstruísse muitos preconceitos. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Finalização e edição de som: Fernanda Carvalho Créditos das trilhas sonoras: domínio público, cantorias de Dona Cadu e álbum samba das raparigas Saubara Links relacionados Sambadeiras do Recôncavo Baiano entrevista concedida a pesquisadora Clécia Queiroz: https://www.youtube.com/watch?v=vG9YB4taCqQ Doc Mulheres do Samba de Roda: https://www.youtube.com/watch?v=Suq9E24YQwI Programa Saberes - Histórias do Recôncavo - Dona Cadu: https://www.youtube.com/watch?v=4V-ns9sMfPU
30:40
October 20, 2021
Ep#30 - O Carimbó com Valdinéia Sauré - Temporada Ritmos
Ep#30 - O Carimbó com Valdinéia Sauré - Temporada Ritmos
O carimbó é uma manifestação cultural envolvente. Um encontro entre as manifestações indígenas e africanas. E vem sendo ressignificada através da força das mulheres das águas. Em nosso episódio 30 do Cirandeiras e 7º da temporada Ritmos, te convidamos a adentrar uma paisagem sonora da floresta amazônica, na região norte do Brasil, para mergulharmos no som que vem do rio Tapajós como fonte de inspiração. Quem vem nos apresentar o ritmo é Valdinéia Sarué, da etnia Munduruku, integrante do primeiro grupo de carimbó formado por mulheres indígenas do Brasil - as Suraras. Então coloque os fones no ouvido porque queremos ver vocês tudim dançando e mexendo todos os sentidos por aí. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Finalização e edição de som: Fernanda Carvalho Créditos trilhas sonoras: Grupo Suraras, Blue Dot Sessions, Samuel Corwin e Sonnik Links citados e ou relacionados neste episódio: https://www.facebook.com/SurarasDoTapajos https://www.youtube.com/channel/UCGejMpVA_Juj3-Y-CI96fRw/featured https://www.instagram.com/surarasdotapajos/ https://www.brasildefato.com.br/2020/12/04/empoderamento-femino-conheca-a-luta-cantada-das-guerreiras-suraras-do-tapajos https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/munduruku-denunciam-ataque-de-garimpeiros-em-jacareacanga-pa https://www.camara.leg.br/noticias/779075-ccj-conclui-votacao-de-projeto-sobre-demarcacao-de-terras-indigenas https://ufmg.br/comunicacao/noticias/associacao-de-mulheres-indigenas-suraras-do-tapajos-lanca-primeiro-album-musical
32:25
September 14, 2021
Ep#29 - O Repente com Soledade Leite - Temporada Ritmos
Ep#29 - O Repente com Soledade Leite - Temporada Ritmos
Quem aí em momentos de paixão eufórica não sentiu necessidade de exprimir seu encantamento através de versos? A gente por aqui está explodindo de amor declarado pelo novo episódio da Temporada Ritmos.  Voltamos a Paraíba para apresentar uma manifestação cultural que embalou muitos corações, mas que há alguns anos vem sendo ocupada por vozes femininas para ecoar outras pautas. De um universo tradicionalmente masculino, a milenar arte do Repente vem sendo desafiada a improvisar cantorias de luta por espaços mais igualitários de poesia cantada. No EP#29, quem vem cirandar é a repentista Soledade Leite, de 78 anos, que desde os 8 brinca de cantar versos. A poetisa da viola vem recontar as histórias dos antigos cordéis e ensinar que “mulher consciente não aceita os domínios machistas de ninguém”. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Edição de som: Fernanda Carvalho Links citados neste episódio: https://www.paraibacriativa.com.br/artista/maria-da-soledade-leite/ https://www.acervoayala.com/acervo/nossa-historia-em-poesia-publicacao-digital-gratuita/
26:17
August 04, 2021
Ep#28 - O Cacuriá com Rosa Reis - Temporada Ritmos
Ep#28 - O Cacuriá com Rosa Reis - Temporada Ritmos
Neste mês junino, pedimos licença convidando vocês a se aprontarem em bandeirolas e comidas típicas, dentro de casa mesmo, para escutar com estilo nosso novo episódio. No EP#28 do Cirandeiras e o quinto da temporada Ritmos vamos arrastar o pé com o Cacuriá direto do Maranhão, Nordeste do Brasil. E quem vem cirandar conosco para contar tudo sobre essa brincadeira cheia de malemolência sensual é Rosa Reis, cantora e responsável hoje por continuar o grupo cacuriá de Dona Teté. Uma grande mestra encantada da cultura popular maranhense. A ideia dos festejos juninos no Maranhão é uma homenagem a quatro santos: Santo Antônio, São João, São Pedro e São Marçal. E, em meio a essas homenagens, tem comidas regionais deliciosas e muitos sons de tambores como do bumba-boi, tambor de criola e o cacuriá. No entanto, este último ritmo surgiu mesmo em outra festa religiosa. Quer saber sua origem? Então bora fazer uma grande celebração aí de onde estiver, mesmo sem poder aglomerar, colocando seus fones, arriscando na cozinha pratos que te lembrem a festa junina e mexendo um pouco esse corpitcho com toda orientação bonita de Rosa e a iluminação de Dona Teté. Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Fernanda Carvalho Créditos trilha sonora: Músicas Rosa Reis e grupo cacuriá de Dona Teté, Axletree, Blue Dot Sessions, Crowander, Xylo-Ziko Link citados no episódio: https://imirante.com/oestadoma/noticias/2020/06/26/cacuria-uma-tradicao-do-sao-joao-do-maranhao/ https://www.youtube.com/channel/UCVEjpmun8KMbEN-zZKtcR4A (Canal youtube cacuriá de Dona Tete)
30:46
June 16, 2021
Ep#27 - O Jongo com Laura Maria dos Santos - Temporada Ritmos
Ep#27 - O Jongo com Laura Maria dos Santos - Temporada Ritmos
Já falamos aqui de Cavalo Marinho, Coco de Roda e Marabaixo. Culturas do Nordeste e do Norte do nosso país. Agora, no episódio 27 do Cirandeiras – o quarto da temporada Ritmos – vos apresentamos o Jongo, do Sudeste brasileiro. E quem nos deu as mãos foi Laura Maria dos Santos, arte educadora e mestre jongueira do Quilombo Campinho da Independência, em Paraty, no Rio de Janeiro. Nesta conversa com ela, saímos emocionadas e transformadas, para além de conhecer mais uma manifestação cultural que conta a história do Brasil. Entre tantas coisas bonitas que Laura fala, uma delas é que o conhecimento é sagrado e passá-lo adiante é uma obrigação, mas o eurocentrismo fez disso um negócio. Para a educadora jongueira e para nós (jornalistas do Cirandeiras) partilhar é uma missão. Então, bota o fone aí pra aprender um pouquinho com o nosso povo negro, entrar nesta roda de energia e jongar? Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Fernanda Carvalho Links para conhecer mais: Documentário sobre o Jongo e o Quilombo Campinho: https://youtu.be/GQb5UNHXRYk Mais sobre o Jongo: https://www.youtube.com/watch?v=VF0kvrdXZjE
28:15
May 12, 2021
Ep#26 - O Marabaixo com Laura Ramos - Temporada Ritmos
Ep#26 - O Marabaixo com Laura Ramos - Temporada Ritmos
Do Nordeste ao Norte. Chegamos a Macapá para conhecer o marabaixo. Uma forma maravilhosa de expressão elaborada pelas comunidades negras do estado do Amapá, manifestada especialmente por meio da dança e das cantigas denominadas “ladrão”. Esses lamentos “roubados” eram cantados antigamente no porão do navio que vinha da África ao Brasil. No mar abaixo, no mar acima, assim como o movimento das ondas. “Eu sou pelo toque do meu tambor” Para cirandar conosco e nos apresentar essa cultura popular de resistência - Laura Ramos. Foi ela quem disse essa frase bem ressonante aí de cima. Laura é pedagoga, tocadora de tambor de Batuque, fundadora do bloco amapaense Ancestrais e militante do Movimento Negro Feminista. Quando Laura entoa o seu canto com as perguntas dos versos, todos respondem num só momento, bem alto, para marcar os encontros especiais de cantorias do Marabaixo. Link citados no episódio: Percursos da tradição Sesc - dança do marabaixo: https://www.youtube.com/watch?v=Wmud0XEqN4s Brincadeira do Marabaixo: https://www.youtube.com/watch?v=ba4K9uNMO90 Dossiê do marabaixo - IPHAN: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/DOSSIE_MARABAIXO.pdf Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Fernanda Carvalho Créditos trilha sonora: Blue Dot Sessions, Crowander, Pompey, The Marian Circle e composições originais de Laura Ramos
24:47
April 07, 2021
Ep#25 - O Coco de roda com Cida de Caiana - Temporada Ritmos
Ep#25 - O Coco de roda com Cida de Caiana - Temporada Ritmos
Continuamos a percorrer os Brasis ouvindo mulheres que resistem através da brincadeira das manifestações populares. Pelos quatro cantos do país, conhecemos a cultura local através de trilhas sonoras que vão dos pés, passa pelo umbigo e chega aquecendo os corações. No segundo episódio da temporada Ritmos, pisamos na Paraíba para conhecer o coco de roda, originado do encontro nordestino da cultura quilombola com indígena, no trabalho da quebra dos cocos para a retirada da amêndoa. Entrevistamos Severina Luzia, mais conhecida como Cida de Caiana, mestra do grupo Desencosta da Parede, da comunidade quilombola Caiana dos Crioulos.  Do sertão ao litoral paraibano, o coco de roda agrega mulheres principalmente na cantoria e na dança, mas a ocupação nos instrumentos de pandeiro, ganzá, zabumba, caracaxás e cuícas tem crescido. Vem fazer escuta desse grande folguedo que reúne todos e todas para brincar.  E depois vai no instagram @cirandeiraspodcast ou em nosso facebook contar se mexeu os pezinhos por aí? Coco e ciranda patrimônio de João Pessoa https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2021/01/05/lei-reconhece-coco-de-roda-e-ciranda-como-patrimonios-culturais-imateriais-de-joao-pessoa.ghtml Trailer documentário No caminho do coco: https://vimeo.com/182948696?fbclid=IwAR16qJqxRgUQ1CWDUVjfloZfYjNAyssu8qE4VxT7t6NgGxsW6avTcHckAxc Roda em Caiana: https://www.youtube.com/watch?v=V7O_XpY4gBA Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster.  Edição de som: Fernanda Carvalho
23:16
March 03, 2021
Ep#24 - O Cavalo Marinho com Mestre Moca Salustiano - Temporada Ritmos
Ep#24 - O Cavalo Marinho com Mestre Moca Salustiano - Temporada Ritmos
A segunda temporada de Cirandeiras abra a roda para os muitos ritmos brasileiros, embalada pela trajetória feminista na cultura popular. Continuamos a percorrer os Brasis ouvindo mulheres que fazem revolução, resistência e arte, aprendendo com a história dos nossos povos originários. Neste primeiro episódio, conhecemos o Cavalo Marinho – expressão da zona da mata pernambucana que resiste há centenas de anos. Entrevistamos Imaculada Salustiano, mestra do primeiro grupo de Cavalo Marinho de Mulheres, o Flor de Manjerona, criado em 2019. Prepare-se para se encantar ao som da rabeca, do pandeiro e dos vários instrumentos e personagens reais e imaginários que compõem o espetáculo teatral, dançante e musical do Cavalo Marinho. Links citados no episódio para aprofundar mais: Aula dos passos: https://www.youtube.com/watch?v=jLB3iQKmaVA Filmes e vídeos: https://www.youtube.com/watch?v=EVOZAf4vucY https://youtu.be/W_8l-tP5-6s https://www.youtube.com/watch?v=W_8l-tP5-6s https://youtu.be/BvmCvtwGgkE https://youtu.be/zzSnpeLLcXU Desenho sobre mestre Salu e o Cavalo Marinho: https://youtu.be/eMVmqu6I-jw Toada de Cavalo Marinho na Rabeca: https://youtu.be/CkXKEl5emeE Flor de Manjerona: https://www.instagram.com/flordemanjerona/ Estreia:https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/vidaurbana/2019/12/tradicional-encontro-de-cavalo-marinho-na-casa-da-rabeca-completa-25.html https://www.facebook.com/jornalistaslivres/videos/3235041419901019 https://www.instagram.com/p/CCrAN3fn4E_/ Entrevista com as mulheres do Flor de Manjerona: https://www.youtube.com/watch?v=kjO36oFdNkI Vai lá em @cirandeiraspodcast no Instagram ou no Facebook conversar com a gente! Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Fernanda Carvalho
23:28
February 10, 2021
Último episódio de 2020 - Revisita as Cirandeiras da temporada Pandemia
Último episódio de 2020 - Revisita as Cirandeiras da temporada Pandemia
Quem aí dançou ciranda esse ano em sonho, pensamento e nessas ondas sonoras? Na nossa última roda, vamos cirandar pela última vez em 2020 em clima de retrospectiva, de esperança para um 2021 com vacina, respeito e mãos com mãos real. Temos muitos planos lindos, desenhadinhos, para desengavetar ano que vem (que as bruxas e deusas nos ouçam, e que vocês nos apoiem sempre!) Falamos disso neste Ep #23 e também chamamos de volta as cirandeiras da primeira temporada. Foi tão incrível — muito além das nossas expectativas — tudo que ouvimos e construímos neste podcast esse ano, que não fazia sentido fechar um ciclo sem relembrar e procurá-las novamente, para reuní-las em uma mesma ciranda. E aprendemos tanto com a escuta delas durante um período difícil de enfrentamento ao Covid-19, né? Agora fomos saber: o que aconteceu com nossas cirandeiras depois da passagem por aqui? O que significou para elas terem suas histórias narradas e espalhadas pelo Brasil? Fizemos contatos com muitas das 20 mulheres entrevistadas e recebemos algumas respostas emocionantes. Então, vem cirandar?! E depois diz pra gente se gostou, se ouviu todos os episódios de Cirandeiras, se também se emocionou, e qual EP mais te tocou da primeira temporada? Vai lá em @cirandeiraspodcast ou no Facebook conversar com a gente! Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Fernanda Carvalho. Link para contribuir com novas cirandas em 2021: www.apoia.se/cirandeiraspodcast Trilhas:  Lia de Itamaraca EntrePretas Chico Correa and Electronic Band Beto Villares Lá Eles
25:59
December 09, 2020
Especial Mulheres Quilombolas - Uma ciranda com autoras negras femininas
Especial Mulheres Quilombolas - Uma ciranda com autoras negras femininas
Olá gente, nosso EP#22 quer te fazer um convite: a leitura do livro “Mulheres Quilombolas - territórios de existências negras femininas” lançado pela editora Jandaíra. E neste episódio especial, já adentramos essa literatura fazendo a escuta de uma das autoras. Nossa ciranda apresenta uma brincante do ritmo moçambique, Sandra Maria da Silva Andrade, do Quilombo Carrapatos da Tabatinga, em Bom Despacho, Minas Gerais. Ela é uma das 18 autoras que apresentam suas escrivivências no livro. Junto com Sandra, convidamos também para a nossa roda, Selma Dealdina, cirandeira que já esteve por aqui no início da primeira temporada do Cirandeiras, e é responsável pela organização do livro, além da filósofa Djamila Ribeiro, coordenadora da publicação, que nos conta como tudo isso começou. Se eu fosse tu, já colocava os fones de ouvido agora, porque escutar vozes de mulheres negras é abraçar a ancestralidade. Só vem! Depois, já sabem, vai no instagram @cirandeiraspodcast ou no Facebook conversar com a gente. Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster.  Edição de som: Fernanda Carvalho.  *Esse episódio foi feito com o apoio de 40 colaboradores da nossa campanha coletiva de financiamento
24:56
November 18, 2020
Especial Eleições - Uma ciranda com cinco candidatas a vereadoras
Especial Eleições - Uma ciranda com cinco candidatas a vereadoras
Faltam poucos dias para as eleições municipais e nossa ciranda sonora retorna hoje percorrendo as cinco regiões do país para fazer escuta atenta de cinco candidatas a vereadoras. Do Pará ao Paraná, te convidamos a cirandar conosco e se inspirar no voto através dos bastidores das campanhas de *mulheres indígenas, quilombolas, periféricas e sertanejas* Nossa ciranda especial Eleições tem um time arretado: Iza Tapuia (PT) de Santarém-PA; Laura da Mutuca (PTB) de Nossa Senhora do Livramento-MT; Erica Daiane (PT) de Juazeiro-BA; Poliana Souza (UP) de Belo Horizonte-MG; Andreia Lima (PT) de Curitiba-PR. E tu já sabe, depois vai lá no nosso instagram @cirandeiraspodcast conversar com a gente sobre eleições e mulheres!  Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster.  Edição de som: Fernanda Carvalho.  *Esse episódio teve o apoio de 33 colaboradores da nossa campanha coletiva de financiamento Links relacionados:  http://www.generonumero.media/eleicoes-2020-candidaturas-negras-maioria/  https://g1.globo.com/politica/eleicoes/2020/eleicao-em-numeros/noticia/2020/09/29/so-1-a-cada-10-candidaturas-a-prefeito-e-de-mulher-nenhum-partido-lanca-mais-candidatas-mulheres-do-que-homens.ghtml  https://mulheresnegrasdecidem.org/ https://diplomatique.org.br/mulheres-negras-decidem-para-onde-vamos/  https://jornalistaslivres.org/mandato-coletivo-jaragua-e-guarani-e-boulos-juntos/ http://votenelas.com.br/
53:13
November 04, 2020
Pandemia ao morrer - Uma conversa com Maria Edileusa Braga
Pandemia ao morrer - Uma conversa com Maria Edileusa Braga
Quais os seus desejos de fim de vida ? O que nós, produtoras do Cirandeiras, desejamos no fim dessa primeira temporada é que todes que passaram por aqui se sintam tocados e transformados pela escuta, com vontade de exercer o bem viver em comunidade. E faz parte disso, como ciclo natural da vida, uma morte digna, com cuidados, conforto e carinho até o último suspiro. No nosso vigésimo episódio, aprendemos a morrer. E quem nos conduz na ciranda da finitude é a cearense Maria Edileusa Braga Freire, moradora da favela da Rocinha, no Rio de Janeiro há mais de três décadas. Conselheira da saúde, Edileusa sempre lutou para defender o SUS e salvar vidas. No projeto voluntário Comunidades Compassivas, coloca em prática a sabedoria de que presença e amor também curam e eternizam vidas. Já ouvisse falar ? Com a pandemia do coronavírus, a morte tornou-se palpável todos os dias, mas não para ser banalizada, para que possamos identificar as lutas que devemos travar para vivermos melhor em sociedade, de mãos dadas, claro ! Tu não pode perder esse papo lindo de morrer [e de viver] com Edileusa e uma gente bonita que entrou nessa última volta de ciranda especial, visse ?! Bota logo pra tocar aí no teu ouvido porque o tempo passa de pressa.  Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster.  Edição de som: Júnior Niquini.  *Esse episódio teve o apoio da ONG Artigo 19, através da campanha #compartilheinformação #compartilhesaúde  Links relacionados:  https://abacashi.com/p/compaixaoilimitada https://ekrbrasil.com/ https://www.otempo.com.br/hotsites/vivendo-a-morte https://www.youtube.com/watch?v=yol5gN4Z9nI https://testamentovital.com.br/
31:11
August 26, 2020
Pandemia ao nascer - Uma conversa com Edina Shanenawa
Pandemia ao nascer - Uma conversa com Edina Shanenawa
Nossa ciranda da semana é sobre dar à luz em meio a uma pandemia de Covid-19🤰🏾 Falamos dos dados assustadores de mortalidade materna neste período, de violência obstétrica, direitos reprodutivos e corpos negros. Mas esses desafios já existiam antes mesmo da chegada do coronavírus, como nos contou Edina Shanenawa, da Terra Indígena Katukina Kaxinawá, localizada no estado do Acre, Norte do Brasil. É ela que vai nos conduzir nesta roda sobre parteria da tradição lá da floresta Amazônica. 🌿 Para quem mora na aldeia, o parir tem outros significados e rituais. Muito diferente dos procedimentos da cidade. Edina passou por uma situação violenta durante o trabalho de parto de sua filha caçula em um hospital de Rio Branco. Foi a primeira vez em cima de uma maca, já que suas outras gestações ocorreram na aldeia com todo apoio de uma família ancestral de parteiras. 🙌🏾 Muitas mulheres embarcaram na jornada da maternidade no mundo que existia antes do coronavírus e rolou um 360º, né? Elas agora precisam se preparar para cuidar de uma vida em um cenário muito diferente. Um mundo de mais medos, incertezas e solidão. 🦠 Então, nosso penúltimo episódio da temporada Pandemia te convida a refletir sobre a vida, sem fundamentalismo e violações, entendendo que a terra é útero e é com ela que deveríamos aprender mais a nascer e renascer. No tempo e na colheita certa, como nos ensina @edinashanenawa 🌻 Aproveita que agosto é o mês da Pachamama [nossa mãe terra] e vem fazer essa escuta com a gente. E depois de ouvir, nos conta o que tu achou ? 💜 Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan, e da ONG Artigo 19, através da campanha #compartilheinformação #compartilhesaúde Links relacionados: https://amazoniareal.com.br/irmas-lutam-pelo-resgate-do-povo-shanenawa-no-acre/ https://terrasindigenas.org.br/pt-br/terras-indigenas/3726 https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Shanenawa https://brasil.elpais.com/brasil/2020-06-24/maes-yanomami-imploram-pelos-corpos-de-seus-bebes.html https://brasil.elpais.com/brasil/2020-06-30/apos-mobilizacao-de-maes-yanomami-por-corpos-de-bebes-mortos-por-covid-agentes-do-governo-vao-a-aldeia.html https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/07/16/Por-que-o-Brasil-%C3%A9-o-pa%C3%ADs-com-mais-mortes-de-gestantes-por-covid-19 https://almapreta.com/editorias/realidade/pretas-gravidas-e-no-pos-parto-morrem-mais-por-covid-19-do-que-brancas http://www.milhaspelavidadasmulheres.com.br/ https://apublica.org/wp-content/uploads/2013/03/www.fpa_.org_.br_sites_default_files_pesquisaintegra.pdf https://amazoniareal.com.br/criancas-yanomami-tres-corpos-de-bebes-estao-em-cemiterio-e-um-no-iml-de-boa-vista-rr/
31:51
August 18, 2020
Pandemia na adoção - Uma conversa com Maria Vânia Magalhães
Pandemia na adoção - Uma conversa com Maria Vânia Magalhães
Você aí já pensou em adotar uma criança? Essa semana vamos cirandar sobre a cultura da infância e da adolescência e o universo da adoção no Brasil. Convidamos Maria Vânia Magalhães uma paraibana de 50 anos de idade, que há anos mora em Belo Horizonte e dirige de forma voluntária a Casa Colmeia. Única casa de acolhimento de mães adolescentes com seus bebês e crianças no estado de Minas Gerais. No Brasil atualmente tem 4,9 mil crianças e adolescentes para a adoção. E um total de 42 famílias aptas e disponíveis para adotar. Mas será por que existem tantas famílias na fila e,  mesmo assim, muitas crianças não são adotadas rapidamente? Vamos também debater os 30 anos completados em julho do Estatuto da Criança e Adolescente - o ECA, marco nos direitos de nossos pequenos/a cidadãos. Vem cirandar com a gente para discutirmos ainda as dificuldades do cenário de adoção durante a pandemia da Covid-19? E se quiser ajudar a Colmeia, casa de acolhimento que Maria Vânia coordena, pode fazer doações financeiras ou de alimentos. O telefone é 31-3372 26 93 ou pelo e-mail: colmeiaeduc@yahoo.com.br  e site www.colmeialar.org.br Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. Vozes das crianças neste episódio: Helena Macedo (cantando Ciranda Cirandinha) e Maria Eduarda (recitando em formato de poesia a música Trenzinho Caipira de Heitor Villa-Lobos)  *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan, e da ONG Artigo 19, através da campanha #compartilheinformação #compartilhesaúde Links relacionados http://www.colmeialar.org.br/quemsomos.html https://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2020-02/agencia-brasil-explica-como-e-o-processo-de-adocao-no-brasil https://arte.estadao.com.br/brasil/adocao/criancas/ https://www.cnj.jus.br/cnanovo/pages/publico/index.jsf https://www.facebook.com/cejapernambuco/ https://www.cnj.jus.br/agendas/congresso-digital-dos-30-anos-do-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente/ https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2020-07/estatuto-da-crianca-e-do-adolescente-completa-30-anos https://www.otempo.com.br/polopoly_fs/1.1277540.1460646996!/index.html
26:26
August 12, 2020
Pandemia nas entregas - Uma conversa com Niedja Oliveira
Pandemia nas entregas - Uma conversa com Niedja Oliveira
Tu já andasse de bike? A nossa cirandeira de hoje vai nos conduzir de cima da bicicleta, fazendo entregas pelas ruas de Recife. Prepara pra ouvir buzinas e muito vento. Mas o importante é a escuta atenta de Niedja Oliveira, entregadora de aplicativos, de comidas e bebidas, em Pernambuco. Pedalando, ofegante, ela nos contou como tem sido trabalhar com isso na pandemia. Os riscos de exposição ao coronavírus, a falta de direitos trabalhistas e de respeito por parte de empresas e clientes são alguns dos problemas no caminho das entregas, que todos nós precisamos enxergar. Então, pra quem pede em apps do tipo ou não, é quase obrigação entrar nessa roda, ou melhor, na garupa de Niedja. Vem entender como essas pedidos têm chegado nas casas dos brasileiros todos os dias, às custas de muitos quilômetros suados da classe pobre do nosso país. E também conhecer essa nordestina arretada, numa experiência sonora inédita por aqui. Esse pedal em ritmo de ciranda tá em todos os tocadores de podcasts e no link da bio. Depois, já sabe, se gostou, chama mais gente pra bicicletar/cirandar... curte, compartilha e comenta ! Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster.   Edição de som: Júnior Niquini.    *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan, e da ONG Artigo 19, através da campanha #compartilheinformação #compartilhesaúde   Links relacionados: https://digilabour.com.br/2020/06/28/quem-esta-pesquisando-o-trabalho-de-entregadores-no-brasil/ https://drive.google.com/file/d/1KCFsMU7Z7_sfB3w_5sJSWlG2aztjl7J8/view https://www.bbc.com/portuguese/brasil-53124543 https://cnttl.org.br/noticia/9957/quem-esta-pesquisando-o-trabalho-de-entregadores-no-brasil https://www.cartacapital.com.br/justica/a-uberizacao-das-relacoes-de-trabalho/ https://reporterbrasil.org.br/gig/
27:34
August 05, 2020
Pandemia nas raças - Uma conversa com Júlia Nara
Pandemia nas raças - Uma conversa com Júlia Nara
A pauta preta percorre o nosso podcast desde o início – onze das 15 mulheres que foram entrevistadas por nós eram negras. Mas estamos no Julho das Pretas, e antes que ele acabasse, decidimos fazer um episódio só para falar de raças, negritude, saúde da mulher negra e afroafeto. Então, aproveita que temos muito o que conversar sobre isso, e vem vibrar nessa energia potente negra com a gente.  Com toda sua voz doce e talentosa, sua luta coletiva, sua generosidade e sua negritude: Julia Nara vai conduzir a nossa ciranda direto do planalto central brasiliense.  Na pandemia, tivemos uma explosão de casos de coronavírus e mortes entre a população preta e parda, escancarando as desigualdades raciais no Brasil. E os negros continuam morrendo de violência policial e racismo no nosso país. Mas precisamos ir além das hashtags de apoios pontuais antirracistas, devemos entrar nessa roda, pegar na mão e olhar no olho das nossas companheiras negras e invocar nossa ancestralidade preta.  Falamos ainda sobre pardismo, colorismo e pigmentocracia. Ja ouviu esses termos? Simbora então cirandar com Julia e as pretinhas no beat.  Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster.  Edição de som: Júnior Niquini.   *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan, e da ONG Artigo 19, através da campanha #compartilheinformação #compartilhesaúde  Links relacionados: https://www.instagram.com/coletivapretinhas/ https://www.youtube.com/channel/UCpg_Rq22pI9yyBs32Y5QQvg http://www.ctc.puc-rio.br/diferencas-sociais-confirmam-que-pretos-e-pardos-morrem-mais-de-covid-19-do-que-brancos-segundo-nt11-do-nois/ http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/278967/1/Romio_JackelineAparecidaFerreira_M.pdf http://observatorioseguranca.com.br/rede-divulga-dados-ineditos-reunidos-em-um-ano-de-monitoramento/ https://jornaldebrasilia.com.br/cidades/ceilandia-47-anos-historia-cultura-e-muita-festa/ https://www.geledes.org.br/o-dia-25-de-julho-e-um-marco-de-luta-para-as-negras/ https://www.geledes.org.br/as-nao-brancas-identidade-racial-e-colorismo-no-brasil/ 
29:45
July 29, 2020
Pandemia nas ocupações - Uma conversa com Maura Rodrigues
Pandemia nas ocupações - Uma conversa com Maura Rodrigues
Todas as medidas de prevenção à Covid-19 tem como pressuposto o isolamento social em casa. Mas para quem vive em ocupações urbanas ou favelas não é possível cumprir com esses cuidados. Ou seja, as propostas do Estado para conter a pandemia estão bem distantes das realidades brasileiras. O episódio#15 traz para a discussão o dilema das mulheres que estão nas ocupações de prédios e terrenos nas cidades: o medo de morrer por coronavírus ou ser despejadas. Quem vem cirandar e nos contar o dia a dia nas ocupações é Maura Rodrigues, do Movimento Nacional de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas - o MLB - e moradora da ocupação Carolina Maria de Jesus, no centro de Belo Horizonte - MG. O sonho da casa própria é o motor  da luta organizada por moradia, mas outros direitos básicos que permitiriam, inclusive, a população sem-teto se prevenir do coronavírus, não são acessados. Vem conversar conosco sobre o direito à cidade que é construída a partir do trabalho das mulheres, da classe pobre e negra do Brasil, mas que continua a excluir pessoas do acesso à moradia digna. Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini.  *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan, e da ONG Artigo 19, através da campanha #compartilheinformação #compartilhesaúde Links relacionados: https://www.mlbbrasil.org/ https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9127-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html https://www.facebook.com/olga.benario.14/ https://nacoesunidas.org/onu-habitat-lanca-versao-em-portugues-da-nova-agenda-urbana/ Documentário Privatizações: a distopia do capital de Silvio Tendler: https://www.youtube.com/watch?v=xJPCKjT0XXk Série #CidadesEmDisputas: https://www.youtube.com/c/V%C3%ADdeosMLB/videos
29:03
July 21, 2020
Pandemia nas deficiências - Uma conversa com Alessandra Martins
Pandemia nas deficiências - Uma conversa com Alessandra Martins
Qual é a primeira imagem de uma mulher com deficiência que lhe vem à cabeça? Não sei o que surgiu no seu pensamento, mas espero que não seja uma pessoa fragilizada. Te convidamos essa semana a cirandar com Alessandra Martins (Lelê), mulher preta, PCD (pessoa com deficiência) e favelada. Lá do Morro Santa Marta, do Rio de Janeiro. A sociedade está desacostumada com as diferenças. Imagine então um governo que todo dia quer eliminar essa diversidade, que simplesmente desconsidera a crise sanitária que vivemos com a Covid-19. Durante a pandemia, o cotidiano de pessoas que são limitadas, não por sua deficiência, mas pela ausência do Estado e pela falta de políticas públicas adequadas, somam-se a uma maior probabilidade de contágios. Os corpos informam, e conviver com os incômodos, acolhê-los faz parte do processo anticapacitista e antirracista que Lelê vem ecoar neste episódio. Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan, e da ONG Artigo 19, através da campanha #compartilheinformação #compartilhesaúde Links relacionados: Documentário “Santa Marta - Duas semanas no morro” de Eduardo Coutinho: https://www.youtube.com/watch?v=-fMPgm40ZpM https://azmina.com.br/colunas/dia-nacional-de-luta-das-pessoas-com-deficiencia/ https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160110_mulher_circo_africa_lab https://www.instagram.com/coletivohelenkeller/ Atlas da violência 2018: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=33410&Itemid=432
26:12
July 14, 2020
Pandemia nos lixões - Uma conversa com Cidinha do Nascimento
Pandemia nos lixões - Uma conversa com Cidinha do Nascimento
"Pensar em sustentabilidade é pensar na família, no próximo e em você mesmo". Abrimos a ciranda dessa semana com essa frase escrita no perfil de Cidinha do Nascimento. Catadora de materiais recicláveis há 26 anos, em um lixão na região metropolitana de Cuiabá-MT, Cidinha tem sabedoria e educação ambiental para nos conduzir nessa roda sustentável, que todos nós precisamos entrar. O Brasil é o quarto maior produtor de lixo do mundo. Reciclamos menos de 10% de um total de 80 milhões de toneladas anuais de resíduos produzidos. E é impressionante como muitos ainda não entenderam que o serviço dos catadores é indispensável nas cidades.  Agora, com a pandemia, o lixo aumentou, a coleta seletiva praticamente parou, ou caiu de preço (já era centavos), e esses trabalhadores estão ainda mais escondidos na montanha da invisibilidade. Então vem com a gente escutar Cidinha, prometemos que você vai terminar querendo abraçar essa mulher, lá no fundo da alma, e nunca mais deixará de separar os resíduos recicláveis.  Cidinha super fará parte do nosso Roteiro Cirandeiras pelos Brasis no “pós pandemia”. Se você não sabe do que estamos falando, pode maratonar os episódios ai pra começar esse planejamento feliz com a gente !  Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan, e da ONG Artigo 19, através da campanha #compartilheinformação #compartilhesaúde  *Links relacionados ao programa:  http://www.mncr.org.br/sobre-o-mncr/duvidas-frequentes/quantos-catadores-existem-em-atividade-no-brasil  https://www.facebook.com/pages/category/Nonprofit-Organization/Asmats-Associa%C3%A7%C3%A3o-de-Catadores-de-Material-Recicl%C3%A1vel-e-Reutiliz%C3%A1vel-1622155984771372/  http://abrelpe.org.br/  https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-11/brasil-gera-79-milhoes-de-toneladas-de-residuos-solidos-porano#:~:text=No%20Brasil%2C%20em%202018%2C%20foram,pouco%20maior%20que%20a%20gera%C3%A7%C3%A3o.  https://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/residuos-solidos/politica-nacional-de-residuos-solidos/linha-do-tempo.html  https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=29271 https://jornalistaslivres.org/a-ciranda-das-mulheres-que-percorre-o-brasil-em-podcast/ https://ancat.org.br/wp-content/uploads/2019/09/Anua%CC%81rio-da-Reciclagem.pdf  https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/06/24/senado-aprova-novo-marco-legal-do-saneamento-basico
29:03
July 08, 2020
Pandemia no sexo - Uma conversa com Santuzza Alves de Souza
Pandemia no sexo - Uma conversa com Santuzza Alves de Souza
Você já conheceu uma prostituta, conversou com alguma? O que você sabe sobre o trabalho sexual ? Vem ouvir nossa cirandeira do episódio #12, Santuzza Alves de Souza, profissional do sexo há 15 anos, que milita pelo reconhecimento da categoria, à frente do Coletivo Rebu, em Belo Horizonte-MG. Neste momento de pandemia, essas mulheres estão enfrentando dificuldades sem poder trabalhar. Nunca há uma política voltada para elas, já que são colocadas num lugar de estigma talvez tão prejudicial quanto o vírus atual. Dá o play aqui desligando qualquer PREconceito que tenha sobre isso. Entre nessa roda disposta a quebrar tabus e barreiras. E não é só nos pensamentos do cérebro não, mas nos corporais também, porque falamos de orgasmo feminino, auto prazer e conhecimento que liberta. Na nossa ciranda, não há lugar para silenciamentos. E a gente adora quando vocês conversam com a gente no instagram @cirandeiraspodcast, e sobre esse assunto, vai ser ainda mais prazeroso… vem nos contar a tua experiência? Produção e Apresentação Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. *Esse episódio teve o apoio do Meedan e da ONG Artigo 19. Links relacionados: https://www.facebook.com/coletivarebu https://www.facebook.com/CUTSBR/ https://www.obeltrano.com.br/portfolio/guaicurus-de-dentro-pra-fora/ https://www.vakinha.com.br/vaquinha/trabalhadoras-sexuais-pedem-socorro?fbclid=IwAR0x8_ix8dQFLY4XjaLetP6LpPCnuK-_VeyUbD8s_iNKq-kxAF3xcGfY-2s Clipe Coisa mais bonita Flaira Ferro: https://youtu.be/4W8Jo-4IqcQ
27:44
July 01, 2020
Pandemia nos Gêneros - Uma conversa com Symmy Larrat
Pandemia nos Gêneros - Uma conversa com Symmy Larrat
Vocês devem lembrar da personagem Tieta de Jorge Amado. Nossa cirandeira vem lá do Pará, mas hoje mora na terra de sua grande inspiração. Vamos cirandar pelas bandas da Bahia, de onde vem Tieta, em Salvador especificamente, onde reside Symmy Larrat. Uma travesti de 42 anos que há anos luta para que as Tietas - como ela chama as mulheres travestis - existentes no Brasil possam encontrar o seu lugar ao sol da liberdade e da democracia. Symmy é presidenTRA da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT), que existe desde a década de 90. Foi a partir da luta dessa organização e de outros movimentos sociais que tivemos alguns avanços nas políticas públicas específicas à população LGBT+, como o casamento homoafetivo, por exemplo. Mas qual a situação desta população em meio a pandemia do coronavírus, o que as travestis e transexuais  têm feito para se proteger não só da covid-19, mas também de famílias conservadoras em meio ao isolamento social e de um Estado que publiciza diariamente sua aversão e perseguição a este grupo social? Eta, eta, eta, eta vem cirandar sob os olhos de tieta? Produção e Apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. *Esse episódio teve o apoio do Meedan e da ONG Artigo 19. Links relacionados: https://www.abglt.org https://medium.com/@brunagbenevides/a-transfobia-por-tr%C3%A1s-do-uso-do-faceapp-b1e008e2efc https://brasil.elpais.com/brasil/2019/03/19/internacional/1553026147_774690.html Relatório Homofobia Patrocinada pelo Estado 2019: https://ilga.org/ilga-launches-state-sponsored-homophobia-2019 https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2020-01/brasil-registra-124-assassinatos-de-pessoas-transgenero-em-2019 https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-06/supremo-decide-criminalizar-homofobia-como-forma-de-racismo
26:09
June 23, 2020
Pandemia na internet - Uma conversa com Fernanda Monteiro
Pandemia na internet - Uma conversa com Fernanda Monteiro
“Queremos que a gambiarra se torne a tecnologia da vez porque ela vem da periferia”. A gente também e tu? Quem disse isso foi a Fernanda Monteiro, mulher trans negras, de 34 anos, lá de São Paulo e que é a nossa cirandeira convidada desta semana para discutirmos Pandemia na Internet. Em tempos de coronavírus e necessidade de estarmos conectados, tu já parou para pensar que a internet é uma via de mão dupla? Ela amplia nossa comunicação, mas pode ser utilizada também contra nós. A febre dos últimos dias na utilização do aplicativo Faceapp, aquele que faz sua projeção de idade ou constrói um você “feminino” ou “masculino” é um exemplo disso. Essa ferramenta foi questionada sobre abusos no uso e compartilhamento dos dados de seus usuários. E abriu um debate  também sobre discriminação racial e de gênero. A Fernanda é formada em Tecnologia da Informação, faz parte da Rede Transfeminista de Segurança Digital e da Rede de Ciberativistas Negras. Há anos atua na área de Segurança Digital para defensoras dos Direitos Humanos. Busca construir infraestruturas feministas na internet para que uma diversidade de mulheres possa acessar a tecnologia e que as distâncias sociais online sejam cada vez menores. Produção e Apresentação Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. *Esse episódio teve o apoio do Meedan e da ONG Artigo 19. Links relacionados: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-05/brasil-tem-134-milhoes-de-usuarios-de-internet-aponta-pesquisa https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/05/cerca-de-70-milhoes-no-brasil-tem-acesso-precario-a-internet-na-pandemia.shtml https://intervozes.org.br/intervozes-solicita-a-anatel-a-proibicao-da-suspensao-de-conexoes-moveis-e-banda-larga-por-90-dias/ https://www.brasildefato.com.br/2020/04/03/artigo-pandemia-expoe-desinformacao-e-violacao-de-direitos-nas-periferias-do-brasil https://www.votelgbt.org/pesquisas https://www.marialab.org/ https://intervozes.org.br/publicacoes/monopolios-digitais-concentracao-e-diversidade-na-internet/ https://www.marialab.org/category/cuidados-durante-a-pandemia/ https://direitosnarede.org.br/ https://www.nexojornal.com.br/estante/trechos/2020/06/05/%E2%80%98Desinforma%C3%A7%C3%A3o%E2%80%99-a-fun%C3%A7%C3%A3o-pol%C3%ADtica-e-econ%C3%B4mica-da-mentira
29:14
June 17, 2020
Pandemia nas ruas - Uma conversa com Adriana Gomes
Pandemia nas ruas - Uma conversa com Adriana Gomes
Quem está dentro de casa nesses últimos meses em quarentena – o que é um privilégio –, não pode ver a quantidade de pessoas dormindo nas avenidas e praças, em barracas de lona. Como está sobrevivendo a população em situação de rua, sempre invisibilizada e estigmatizada, em meio a essa pandemia ? O auxílio emergencial do governo chega até eles de que forma? Quantos já pegaram coronavírus? A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, declarou, recentemente, que poucos seriam contaminados pela Covid-19 porque “ninguém pega na mão deles”. Então, vamos dar as nossas mãos simbólicas para cirandar com Adriana Gomes, mulher que vive nas ruas há anos, e, muito consciente de sua luta, dá recados cruciais para uma sociedade que já os isolava antes mesmo dessa doença. A falta de redes amplas de apoio – principalmente, às mulheres, que são violadas de várias formas nas ruas – expõe falhas profundas na nossa organização social e no nosso senso de comunidade. Vem fazer essa escuta de Adriana no nosso episódio 9 sobre a pandemia esquecida nas ruas? Produção e Apresentação Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan.  Links relacionados: https://apublica.org/2019/09/os-dias-de-iriana-nas-ruas-de-recife-com-um-bebe-e-sem-documentos/ https://www.instagram.com/centropopfrancasp/ https://catracalivre.com.br/cidadania/sp-tem-22-moradores-de-rua-mortos-por-covid-19-diz-prefeitura/ https://www.facebook.com/ACracoResiste/ https://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2020-05/governo-propoe-acolhimento-de-78-mil-moradores-de-rua-pelos-municipios https://www.brasildefato.com.br/2020/01/31/movimentos-denunciam-subnotificacao-em-censo-sobre-populacao-de-rua-de-sp http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2005-12-23/brasil-tem-ate-18-milhao-de-moradores-de-rua http://www.lutapelosocialismo.org.br/1004/mendigos-a-exclusao-social-invisivel-ate-nas-pesquisas
28:29
June 10, 2020
Pandemia nas prisões - Uma conversa com Nana Oliveira
Pandemia nas prisões - Uma conversa com Nana Oliveira
Muitos de nós temos vivido isolados nos últimos meses e tem sido bem ruim não poder socializar. No Brasil, há quase 800 mil pessoas que estão presas em penitenciárias que supostamente deveriam buscar a ressocialização dos que cometeram crimes. Mas quem são essas pessoas e como elas são tratadas, qual é a política prisional brasileira?  Encarceramento em massa é uma pauta que talvez seja a que menos a sociedade quer discutir ou tem interesse. E quando se tratam de mulheres presas, a invisibilidade é ainda maior, elas sequer recebem visitas, na maioria dos casos.  A partir desta semana o Cirandeiras deixa, por ora, o campo e o interior do país para falar de temáticas igualmente urgentes nas rotinas das cidades. O sistema prisional neste período de pandemia é uma bomba relógio, já que os presídios estão superlotados, muito longe das condições ideais de higiene.  Neste episódio 8, adentramos um pouco nesse universo de injustiças e desigualdades que atravessam a segurança pública nacional. Falamos, especialmente, do aprisionamento feminino, em que mulheres pobres e pretas são julgadas por tribunais brancos — penalizadas também por serem mães.  A cirandeira que nos conduz nessa conversa tão necessária é Nana Oliveira, advogada negra popular e fundadora do projeto Solta Minha Mãe, com uma década de militância pelo desencarceramento. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster. Edição de som: Júnior Niquini. *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan Links citados no episódio: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-02/brasil-tem-mais-de-773-mil-encarcerados-maioria-no-regime-fechado https://carceraria.org.br/combate-e-prevencao-a-tortura/coronavirus-nas-prisoes-dados-denuncias-e-relatos https://www.facebook.com/pg/soltaminhamae/ https://theintercept.com/2020/05/09/juizes-ignoram-lei-maes-presas-pandemia/?fbclid=IwAR1kzpSa7VGN_kCqB8caL92NFaa9KREl9QsZ-ZrDCFjzQIoOSd5nf-eouHo https://jornaldebrasilia.com.br/cidades/hospital-no-complexo-penitenciario-da-papuda-sera-permanente/ NOTAS CNJ E RESPOSTA COMPLETA SEJUSP/MG: https://docs.google.com/document/d/1uWy0PRKAfGKNivo1UxH-2kB3M3YXUzOl4kTn3cW-oRA/edit?usp=sharing
26:20
June 03, 2020
Pandemia no rural - Uma conversa com Verônica Santana
Pandemia no rural - Uma conversa com Verônica Santana
Verônica Santana é agricultora e tem 52 anos. Mora hoje no assentamento Vitória da União, no município de Santa Luzia do Itanhy, no litoral sul de Sergipe. Mas nasceu no sertão do Estado, onde iniciou sua militância nas pastorais sociais, na década de 80. Começou sua luta na convivência com a seca, em períodos difíceis de estiagem, mas foi no Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTR-NE) onde aprendeu sobre as desigualdades de gênero e a importância de trabalhar a participação política fora e dentro de casa.   Apresentação, produção e edição: Joana Suarez e Raquel Baster  *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan  Links citados no programa:  MMTR NE: http://www.mmtrne.org.br/  Documentário Mulheres Rurais em Movimento: https://www.youtube.com/watch?v=PQkIWTIyJc4  Sobre PL 873/2020: http://www.contag.org.br/index.php?modulo=portal&acao=interna&codpag=101&id=13975&nw=1&mt=1  Pesquisas sobre internet - TIC domicilios https://www.cetic.br/pesquisa/domicilios/
27:56
May 27, 2020
Pandemia nos assentamentos - Uma conversa com Ceres Luisa Antunes Hadich
Pandemia nos assentamentos - Uma conversa com Ceres Luisa Antunes Hadich
Ceres Luisa Antunes Hadich de 36 anos nasceu em Londrina, norte do Paraná. Em função do trabalho do avô paterno a família mudou para Curitiba. Em 2002 inicia os estudos em Agronomia na UFPR. Mesmo proveniente de uma família que não tinha vínculos com o campo, desejou continuar estudando e isso só poderia ser feito através do ingresso em uma universidade pública. A militância em movimento estudantil a fez conhecer os movimentos organizados de luta pela terra. Entra para o Movimento Sem Terra (MST) e o assentamento Maria Lara torna-se sua casa. As lutas pela reforma agrária, moradia digna no campo e a agroecologia, suas causas de vida. Apresentação, produção e edição: Joana Suarez e Raquel Baster *Esse episódio teve o apoio da Microbolsa Check Global, do Meedan Links citados no programa: Propaganda Agro é Pop: https://www.youtube.com/watch?v=R_s9ShEqkvM Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra: https://mst.org.br/ Escola Latinoamericana de Agroecologia:http://elaa.redelivre.org.br/ MP 910 da grilagem: https://congressoemfoco.uol.com.br/meio-ambiente/com-alteracoes-mp-910-deve-ser-votada-na-terca-veja-o-relatorio-na-integra/ O que está por trás do relator da MP910 da grilagem: https://deolhonosruralistas.com.br/2020/05/11/texto-de-iraja-na-mp-da-grilagem-beneficia-negocios-do-padastro/ Quem é o novo presidente do Incra: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/10/18/Quem-%C3%A9-o-novo-presidente-do-Incra.-E-qual-sua-prioridade Dados do Relatório de Conflitos no Campo da CPT 2019: https://www.cptnacional.org.br/component/jdownloads/category/74-espaco-para-imprensa-releases-analiticos?Itemid=-1 Texto O silenciamento das mulheres camponesas em situação de conflitos no campo e as sementes  que anunciam suas resistências por Raquel Baster (Relatório de Conflitos no Campo da CPT 2018): https://www.cptnacional.org.br/component/jdownloads/send/41-conflitos-no-campo-brasil-publicacao/14154-conflitos-no-campo-brasil-2018?Itemid=0
29:10
May 20, 2020
Pandemia nas casas - Uma conversa com Lenira Carvalho
Pandemia nas casas - Uma conversa com Lenira Carvalho
"A empregada doméstica representa a luta de classes dentro da casa das pessoas". Essa é uma fala antiga e marcante de Lenira Carvalho, nossa cirandeira desta semana. Aos 87 anos, só mesmo a ameaça de um vírus perigoso para tirar Lenira da luta pelos direitos das trabalhadoras. Filha de empregada, ela saiu do interior do Alagoas para ser babá no Recife e acabou fundando o sindicato das domésticas na cidade, com a missão de garantir que mulheres como ela fossem reconhecidas como "pessoas". A primeira morte pela Covid-19 foi de uma empregada doméstica, no Rio de Janeiro. Ela pegou a doença com a patroa que omitiu que estava com coronavírus. Conversamos com Lenira, que está isolada em casa esperando que a pandemia proporcione um futuro de menos discriminação. Através da trajetória dela, permeada de injustiças e muita consciência, compreendemos o passado e o presente dessas mulheres que trabalham dentro das casas de milhares de brasileiros. Vem com a gente fazer esse movimento importante de escuta e reflexão? Apresentação, produção e edição: Joana Suarez e Raquel Baster Links citados no programa: https://www.opovo.com.br/coronavirus/2020/05/08/empregadas-domesticas-nao-configuram-servico-essencial-e-devem-ser-liberadas-com-remuneracao.html https://jornalistaslivres.org/a-casa-grande-prefeito-de-belem-inclui-empregadas-domesticas-em-servicos-essenciais/ Matéria da Agência Pública sobre morte de doméstica no Rio de Janeiro: https://apublica.org/2020/03/primeira-morte-do-rio-por-coronavirus-domestica-nao-foi-informada-de-risco-de-contagio-pela-patroa Carta manifesto dos filhos de domésticas e diaristas, recolhimento de assinaturas: https://www.change.org/p/ao-poder-p%C3%BAblico-empregadores-e-empregadoras-de-dom%C3%A9sticas-e-diaristas-e-toda-sociedade-civil-quarentena-remunerada-imediata-pra-domesticas-e-diaristas?recruiter=1056504459&utm_source=share_petition&utm_medium=copylink&utm_campaign=share_petition Sobre a luta das empregadas domésticas e a covid-19: https://fenatrad.org.br/2020/04/27/27-de-abril-dia-da-domestica-merecemos-viver-e-trabalhar-com-dignidade-seguranca-e-direitos Ensaio sobre o livro de Lenira: https://periodicos.fclar.unesp.br/letras/article/view/255 Mais sobre Lenira: http://www.mulher500.org.br/lenira-carvalho-1932/ Sobre o Muquifu: https://www.otempo.com.br/diversao/museu-situado-na-periferia-da-capital-se-destaca-em-pesquisa-nacional-1.2189085 Instagram.com/muquifu
26:05
May 13, 2020
Pandemia nas aldeias - Uma conversa com Elizângela da Silva Baré
Pandemia nas aldeias - Uma conversa com Elizângela da Silva Baré
O Cirandeiras chega no episódio #4 abrindo a nossa roda no meio da floresta Amazônica, na cidade mais indígena do Brasil, São Gabriel da Cachoeira, para conversar com Elizângela da Silva Baré – coordenadora do Departamento de Mulheres da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn). Apesar de Abril ser o mês indígena, a gente abre o mês de Maio com essa pauta porque todo dia é dia de nos conectarmos com os povos que deram origem ao Brasil e que conseguiram resistir a todos os tipos de colonização até hoje. O coronavírus é uma grande ameaça para as aldeias porque pode significar a morte de muitos indígenas. Falamos sobre as dificuldades de implantar medidas de prevenção nas comunidades indígenas, que têm costumes bem diferente das cidades, como não ter torneiras em muitas casas, porque eles usam o rio – a verdadeira casa deles. Elizângela também nos traz a força das mulheres indígenas e essa resistência do seu povo. Apresentação, produção e edição: Joana Suarez e Raquel Baster . Instagram: Cirandeiras Podcast Links citados no programa : ISA- Instituto Socioambiental: https://covid19.socioambiental.org/ Pesquisa sobre violência contra mulheres negras e indígenas: https://www.camara.leg.br/noticias/547491-feminicidio-cresce-entre-mulheres-negras-e-indigenas-e-diminui-entre-brancas-aponta-pesquisadora/ FOIRN: https://foirn.org.br/wp-content/uploads/2019/05/manifesto-das-mulheres-indigenas-do-rio-negro.pdf Instagram @foirn Campanha Rio Negro, Nós Cuidamos!: https://noscuidamos.foirn.org.br Reportagem sobre Indígenas Xakriabá: https://projetocolabora.com.br/ods1/fome-e-miseria-ameacam-indigenas-em-minas-gerais/
21:40
May 06, 2020
Pandemia doméstica - Uma conversa com Indira Xavier
Pandemia doméstica - Uma conversa com Indira Xavier
A pandemia da covid-19 não trouxe só isolamento e incertezas, mas também o aumento da violência doméstica contra mulheres. No episódio 3, conversamos com Indira Xavier, coordenadora da Casa de Referência Tina Martins, primeira ocupação feita por mulheres da América Latina e que está localizada em Belo Horizonte. Falamos também sobre participação política, autocuidado e os enfrentamentos que podemos fazer juntas para manter nossas mulheres vivas. Não percamos as esperanças porque acreditamos que o Futuro é Feminino e Feminista. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster  Edição de som: Iago Vernek  Logo: Vitor Drumond Links citados neste programa: Casa de Referência Tina Martins https://www.facebook.com/casatinamartins/ Movimento Olga Benário https://www.facebook.com/olga.benario.14/ Sobre os dados de violência contra mulheres Dôssie Agência Patrícia Galvão- https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/dados-e-fontes/ Ministério Público do Estado de São Paulo -http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/noticias/noticia?id_noticia=22511423&id_grupo=118 Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro - https://radios.ebc.com.br/tarde-nacional-rio-de-janeiro/2020/03/coronavirus-casos-de-violencia-domestica-crescem-50-durante-periodo-de Como denunciar (24 horas por dia): Ligue 180 -  Disque-Denúncia foi criado pela Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM). A denúncia é anônima e gratuita. Os casos recebidos pela central são encaminhados ao Ministério Público. Disque 100 - Serviço destinado a violações de direitos humanos. E nos Núcleos e Defensorias Especializadas em Atendimento à Mulher pelo Brasil: https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/nucleos-e-defensorias-especializadas-de-atendimento-mulher/
22:19
April 28, 2020
Pandemia nos quilombos - Uma conversa com Selma Dealdina
Pandemia nos quilombos - Uma conversa com Selma Dealdina
O coronavírus chegou às comunidades quilombolas, há diagnósticos e mortes em cinco Estados. Neste episódio, vamos entender a situação dos quilombos em meio a pandemia e as estratégias de enfrentamento que estão sendo feitas. Quem entra nessa ciranda para contar tudo isso pra gente é Selma Dealdina, feminista porreta de 38 anos, secretária executiva da CONAQ (Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), que cresceu em meio ao Ticumbi e outras manifestações populares do norte do Espírito Santo. Produção e apresentação: Joana Suarez e Raquel Baster Edição de som: Iago Vernek Logo: Vitor Drumond Links citados neste programa: Estudo sobre titularização quilombola feita pela organização Terra de Direitos: https://terradedireitos.org.br/noticias/noticias/no-atual-ritmo-brasil-levara-mil-anos-para-titular-todas-as-comunidades-quilombolas/23023 Sobre a Conaq: http://conaq.org.br/ https://www.instagram.com/conaquilombos/ Sobre o caso de Alcântara: http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/mpf-recomenda-que-uniao-nao-remova-quilombolas-de-alcantara-ma Atualização dados sobre coronavírus nas comunidades quilombolas: http://conaq.org.br/noticias/covid-19-chega-aos-quilombos/
22:56
April 22, 2020
Pandemia na Ilha - Uma conversa com a cirandeira Lia de Itamaracá
Pandemia na Ilha - Uma conversa com a cirandeira Lia de Itamaracá
A primeira temporada do podcast Cirandeiras vai abordar o tema que chegou rápido na casa de todos: o coronavírus. Vamos escutar mulheres ousadas, que dão passos importantes e movimentam comunidades, tal como uma cirandeira. Nesse momento, nada melhor do que conhecer histórias inspiradoras e saber o que elas estão fazendo no combate ao coronavírus. As mulheres são as mais vulneráveis hoje na nossa população, chefiando famílias sozinhas, mas elas nunca desistem – estamos acostumadas a lidar com adversidades todos os dias e encontrar soluções. Neste episódio de estreia, explicamos mais sobre a proposta, tratamos um pouco do contexto atual do Brasil imerso na contenção do coronavírus e conversamos com a mestre cirandeira Lia de Itamaracá, já que escolhemos a ciranda como símbolo desse projeto. Lia é uma mulher negra, de 76 anos, que mora na ilha de Itamaracá. Rainha da ciranda brasileira e Patrimônio vivo de Pernambuco.  Produção e apresentação Joana Suarez e Raquel Baster Edição de som de Júnior Niquini Vinheta de Nicolli Bueno Logo de Vitor Drumond Links citados neste programa: Reportagem da revista AZMina com dados: https://azmina.com.br/reportagens/trabalhadoras-informais-temem-nao-ter-como-alimentar-os-filhos-em-crise-do-coronavirus/ Sobre Lia de Itamaracá https://www.instagram.com/liadeitamaracaoficial/ www.liadeitamaraca.com.br https://lia-de-itamaraca-no-bndes.lojaintegrada.com.br/ Sobre as marisqueiras de Itamaracá: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1479780642228596&id=100005900224086 https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-03/prorrogada-mp-de-auxilio-para-pescador-afetado-por-mancha-de-oleo
15:44
April 15, 2020
Vêm aí as "Cirandeiras"
Vêm aí as "Cirandeiras"
Você conhece a Ciranda? É uma manifestação popular do litoral pernambucano. A dança acontece de forma coletiva, com uma grande roda girando em sintonia. Queremos formar uma ciranda com mulheres que são inspiração e força para o desafio da vez: a pandemia (Covid19). Teremos aqui um tempo para exercitar a escuta de brasileiras ousadas que modificam vidas, padrões e territórios. Quem são as “cirandeiras” que lideram comunidades? E como elas estão lidando com mais esse problema do novo coronavírus em meio a outras lutas diárias?  A gente acredita que, desde sempre, as mulheres estão na linha de frente e vêm delas as melhores soluções. Então, toda quarta-feira, você tem alguns minutos de esperança, pois as mulheres nunca desistem.  Esse projeto será tocado por duas jornalistas: Joana Suarez e Raquel Baster. Mas para dançar a ciranda a gente precisa de, no mínimo, três. Por isso, vamos trazer a cada episódio a história de uma mulher de um lugar diferente desse país gigante.  Vamos dar as mãos? (Arte: Vitor Drumond)
01:45
April 07, 2020