Skip to main content
Poesias Declamadas | Não São Só Poesias - Jéssica Iancoski | Recitar Poema

Poesias Declamadas | Não São Só Poesias - Jéssica Iancoski | Recitar Poema

By Jéssica Iancoski
Não São Só Poesias é um podcast de Poemas da escritora paranaense Jéssica Iancoski.

Neste programa, Jéssica lê os seus poemas de forma sensível e emocionante, os conduzindo com músicas que muitas vezes se unem perfeitamente a leitura, constituindo uma mesma poesia formada entre poesia e melodias.

Acesse www.jessicaiancoski.com/ para conhecer mais!
Where to listen
Google Podcasts Logo

Google Podcasts

Overcast Logo

Overcast

Pocket Casts Logo

Pocket Casts

RadioPublic Logo

RadioPublic

Spotify Logo

Spotify

# 26 Aglutinação | Poesia Brasileira Contemporânea
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Aglutinação Descubra mais em www.jessicaiancoski.com "Só desejo a sinceridade, e nas verdades, quaisquer que sejam, e tal como doam ou vibrem, que possa aprender sobre o amor. Não à nós, solitariamente Mas ao todo, sem vedação: Amor a terra que silva e ao vento que ceifa. Amar o diferente, o que não conhece, O que os olhos sabem sem debruçar Aquilo que jamais poderá Fazer parte do que acredita,ou,engana. Amar o vertical,que semeia,cultiva e faz a graça da flor Temendo o que horizonta, a desgraça, sem deixar Silenciar,aglutinando Amar,ainda,assim,com,paixão, Com,devoção,sobretudo,com,esperança. Amar,com Mas também foder E como."
00:52
December 13, 2020
# 25 Amor Feminino | Poesia Brasileira Contemporânea
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Amor Feminino Descubra mais em www.jessicaiancoski.com "Querida, Você não pode mais me confundir agora Porque, agora, eu estou te dando amor, Querida. Mesmo que eu não te possua, Você continua sendo minha. Eu sei, eu sei, eu sei! Você está confusa agora Os homens te machucaram muito no passado E eles ainda continuam nos machucando Mas, querida, minha querida, Eu estou de dando amor agora Amor feminino Eu sei, eu sei, eu juro que sei! Depois de tudo Fica a cada vez mais difícil Não ver na mão estendida Um tapa Mas querida, minha querida Quando eles te fizerem sofrer Você pode me chamar que eu vou até você Eu estou te dando amor feminino agora E, querida, Eu vou te deitar no meu colo E passar os meus dedos pelo seu rosto E usar a minha mão para te fazer carinho E eu sei, eu sei, eu sei! Você não vai se permitir chorar Mas se você quiser, Eu não vou falar nada Só vou continuar passando as minhas mãos nos teus cabelos E te acariciar até você pegar no sono Porque, querida, minha querida, Eu estou te dando amor feminino agora E não vou sair do teu lado Porque quando eles te fazem sofrer, Eles estão machucando a todas nós E querida, minha querida Você precisa ser amada E eu estou te dando amor agora Como você nunca recebeu antes Então, para com isso, Deixa eu te estender a minha mão E te colocar para dormir Porque, querida, Você nunca precisou tanto do amor Quanto está precisando agora. Amor feminino Só como sabem nós mulheres Eu sei, eu sei, eu juro que sei!"
01:46
December 06, 2020
# 24 Ninguém Sabe | Poeta Brasileiro Atual
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Ninguém Sabe Descubra mais em www.jessicaiancoski.com "É, Agora, ninguém sabe que estou no Rio, Só a minha amiga, o medo Saímos E pegamos uma bike de Copacabana Indo para Ipanema Somos livres. Tempo seu covarde, Ladrão inútil Eu sou livre O que que você acha disso? Responde! Sim, Estamos furando a noite, No túnel do por do sol Bem no meio das luzes Dos prédios E do preto da iris Enquanto pedalamos Os braços pendulam E tem a pedra do Arpoador Mas como poderia estar atrasada Se nunca possui o tempo? Os aplausos ficaram para trás, Enquanto eu afundava na escuridão. E me responde, agora, seu ladrão, Antes do próximo verso, Quando foi a última vez que você pedalou Para furar a noite? Você já abriu os braços para sentir A leveza do vento no rosto dos cílios E o guidão da vida solto Sem guardião E as suas canelas de fora levitando? E tudo sendo levado por covardes Como você, seu inútil Esquece, você nem sabe pedalar ainda É só uma criancinha impulsiva E besta. A única que coisa que quero saber É que horas vamos chegar no Leblon É tudo o que me importa Ou mais adiante Ou mais tarde Tanto faz quando você está bem no meio do tempo Furando a noite. Ninguém sabe que estou aqui Só a minha amiga O Rio, O vento A bike que pedalo, E é claro, você seu covarde Que sempre me persegue Fazendo pesar as costas e o pedal E nada a mais. É, seu ladrão, Ninguém diria ontem furando a noite Bem no meio do olho Da noite, Bem no meio da lágrima Do tempo Mas é só o mar De Copabacana, Ou de Ipanema Ou do Leblon Tanto faz Porque ninguém sabe Que estou no Rio E talvez nem eu saiba Ou esteja. A única coisa certa é que A liberdade é sempre a mesma amiga Em qualquer lugar Do medo E eu estou tentando morrer agora, E ninguém sabe, Seu inútil, Eu não quero voltar hoje Para mim o amanhã nunca existiu E você não faz nada a respeito Sempre."
02:58
December 03, 2020
# 23 Silepses | Poesia Brasileira Contemporânea
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Silepses Descubra mais em www.jessicaiancoski.com "Errante Persigo o silêncio Como o perigo impregna  Silepses          Sin,táticas  Sem       tato     Ou sentido Há discordância: O gênero indica o feminino Mas concordo com o masculino A concordância não se faz  Com o semelhante Mas com o outro                               o oculto, O Incutido, Incurso Indiscutível. A omissão pressupõem-lhes  O erro. Errante persisto  Não com, Mas preso no           sss silêncio Das minhas     sss silepses."
00:44
November 26, 2020
# 22 Ocaso | Poesia Brasileira Contemporânea
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Ocaso Descubra mais em www.jessicaiancoski.com "Pode não parecer Mas entre se permitir E querer Há um vasto Acaso do Tempo-espaço, Precipício De princípios Devastos No abraço Do des-caso. Separação."
00:22
November 18, 2020
# 21 Com Tudo | Poesia Brasileira Contemporânea
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Com Tudo Descubra mais em www.jessicaiancoski.com "Eu faço tudo com tudo. Quando eu vim foi com tudo. O tempo que, ainda, permaneço é com tudo E quando conseguir partir, sim, será com tudo. Contudo, já você: Não é com tudo, E sim, Contundente."
00:26
November 13, 2020
# 20 Deixa A Falta Doer | Poesia Brasileira Contemporânea
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Ponto de Desencontro Descubra mais em www.jessicaiancoski.com "Deixa a falta doer Que a saudades ensina. Eu, sei, menina, A, saudades, implica, E, não, saber, é, de, moer, Faz, o, peito, re-moer, E R-                          _ - _ E-                    _;        _ -  _ M-                     _,           ; O-                 , E-          _  - R Pra ver se a palavra esfarela, Pois vai que o vento não leva? E falta revela Que a nossa sina É bem mais su-SINTA Do que tudo o que a Saudades ensina. Deixa doer, menina Que a falta aproxima Descomplica E releva."
00:44
November 08, 2020
# 19 Ponto de Desencontro | Poesia Brasileira Contemporânea
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Ponto de Desencontro Categoria: Sensível. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com |PONTO DE DESENCONTRO| E tudo o que você queria de mim Era o meu amor. Tão pouco... Porque quando tomei o meu caminho, Você se desfez de mim, Dos planos E dos sonhos. E tudo o que você queria de mim Era *somente* O meu amor. Somente. Nada mais. Não o desafio da vida Em convergir ao mesmo ponto, O encontro. Tão pouco. (Jéssica Iancoski)
00:36
November 02, 2020
# 18 Sublimação | Poesia Brasileira Contemporânea | Poesia Ilustrada
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Sublimação Categoria: Sensível. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com | SUBLIMAÇÃO | . O que senti por você Não foi Amor e nem Paixão. Foi Sublimis.  . Ao invés de me transpassar,  Coloquei-me abaixo  De cabeça  erguida A contemplar o espaço vazio, O lintel, O belo e o pitoresco. . O que eu senti por você, Não foi amor e nem paixão, Mas foi poesia e meditação, A inexcedível perfeição. . Não por acaso, agora, sublimação A  busca pela sustentação no ar, A elevação da consciência, Tão inconstante. (Jéssica Iancoski) __ A raiz etimológica da palavra "Sublime" deriva do Latim "Sublimis", que significa “elevado, alto, nobre”. Junção de SUB, “abaixo”, com LIMEN, “lintel, parte alta de uma porta”. Estabelece relação metafórica com estar num lugar baixo contemplando sua parte superior. "Sublimação", na psicanálise, é um tipo de mecanismo de defesa maduro, no qual impulsos ou idealizações socialmente inaceitáveis são transformados em ações ou comportamentos socialmente aceitáveis, através da energia criativa e artística, com a função de promover o esquecimento das lembranças dolorosas.
00:43
October 27, 2020
# 17 Amar | Poesia Brasileira Contemporânea | Poesia Visual
Poema de Jéssica Iancoski / @Euiancoski Poema: Amar Categoria: Melancólico, Sensível. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com "Não precisa ser perfeito E em pra-sempre. Só precisa ser Pertinente  E Presente. Até que impreterivelmente Se perceba: Pretérito Perfeito".
00:18
October 16, 2020
# 16 Precipitação | Poesia Brasileira Contemporânea | Poesia Visual
Poema de Jéssica Iancoski. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com Poema: Precipitação Autora: Jéssica Iancoski / @Euiancoski Categoria: Melancólico, Sensível. Assista o poema em https://www.youtube.com/watch?v=12oIrM1Hb8c "Amei três vezes na vida. Na primeira, Sem saber, usei das palavras para prender. Na segunda, Achando que sabia, esCALEI para ficar. Na terceira, Tentando acertar, Procurei maneiras que fossem boas De dizer tudo o que era silêncio para mim. Mas a verdade É que é impossível. Toda palavra, Dita ou não, É precipício. E só a poesia, Precipitação." ____ ►► Leia o meu Livro de Poesias de graça no Kindleunlimited  e ajude  a apoiar este projeto https://tinyurl.com/poilhias
00:43
October 01, 2020
# 15 Tem Coisa que Não Cansa | Poesia Brasileira Contemporânea | Recitar Poesia
Poema de Jéssica Iancoski. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com Poema: Tem Coisa que Não Cansa Autora: Jéssica Iancoski / @Euiancoski Categoria: Feliz, Melancólico. "Meu amor A tua malemolência é linda Então pode ir no passinho Sambando com esses pezinhos pelo chão Só te peço que busque sempre Pela melhor vibração. Pode ir e confia Que no final do caminho O descompasso é bonito, Sente essa filosofia e desfila. Por tudo o você tiver que passar Deus te recompensará Com a mais pura das serenidades. Mas só no final da vida E quando os seus últimos instantes de presente Estejam prestes a se transformar em dádivas. Quando você passar E nada mais for pesado E tudo ao seu redor seja feito passado. Se recompõe Que a tua Vitória já é certa E virá em boa hora. A única coisa que eu posso te desejar É que encontre a melhor das energias para Te acompanhar Em toda essa espera sempre haverá esperança. Enquanto aguarda Vê se dança, Tem coisa que não cansa." ____ ►► Leia o meu Livro de Poesias de graça no Kindleunlimited  e ajude  a apoiar este projeto https://tinyurl.com/poilhias
01:28
September 13, 2020
# 14 Pássaros Cinzas | Poesia Brasileira Contemporânea | Poema Declamado
Poema de Jéssica Iancoski. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com Poema: Pássaros Cinzas Autora: Jéssica Iancoski / @Euiancoski Categoria: Sensível, Melancólico.  "Ao despertar, O rosto levantou amassado A cara mais triste As sobrancelhas pesadas, Marcadas pelas sobras das sombras. As estrelas subiram Tomando para si o piado das arpas. E o dia amanheceu cinzeiro. Da cor da pele sem brilho Do olhar sem lume Refletido no silêncio côncavo dos pássaros Acendidos em cigarros parados No alto dos cumes Prontos para despencar. A gravidade onerosa faz sentir O peso da fumaça que sobe Tentando a revoada tênue Entre o tenhar da sobriedade abafada E o tear da alvorada soada. Apenas o tabaco dando aqueles amassos Em borboletas embrulhadas na boca do estômago. - algo que soaria como gastrite, Se o assombro que desgasta não fosse Mais enrolado do que toda baforada em agite." ____ ►► Leia o meu Livro de Poesias de graça no Kindleunlimited  e ajude  a apoiar este projeto https://tinyurl.com/poilhias
01:20
August 17, 2020
# 13 Pelo Próprio Amor | Poesia Brasileira Contemporânea | Poema Amor Próprio
Poema de Jéssica Iancoski. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com Poema: Pelo Próprio Amor  Autora: Jéssica Iancoski / @Euiancoski Categoria: Sensível, Motivacional. "Ame-se. Quem quer que você seja. Ame o seu corpo, as suas doenças, aquela pintinha fora do lugar e aquelas linhazinhas da sua barriga. Ame todos caminhos da sua mente, os seus pensamentos sórdidos as lembranças arrependidas. As trevas secretas, os desejos insaciáveis as vontades esquecidas as experiências indiscretas E as indecências inexploráveis. Ame tudo o que puder causar repulsa. Entretanto, pelo principio básico do amor, Cuide-se. Cuide para que você não se vá antes da hora, para que você não extrapole nenhum direito civil ou corporal, para que você não estrague a vida pra você unicamente ou para alguém. Amor é amor E todo amor é pouco, mas é preciso parar, se cuidar e frear a liberdade justamente em nome do amor-próprio em detrimento do mesmo, Pelo próprio amor." ____ ►► Leia o meu Livro de Poesias de graça no Kindleunlimited  e ajude  a apoiar este projeto https://tinyurl.com/poilhias
01:34
July 09, 2020
# 12 Margaridas | Poetas Atuais Contemporâneos | Poema Inspirador | Poesia Declamada
Poema de Jéssica Iancoski em diálogo com música de Katy Perry. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com Poema: Margaridas Autora: Jéssica Iancoski / @Euiancoski Categoria: Inspirador, Sensível. ____ ►► Leia o meu Livro de Poesias de graça no Kindleunlimited  e ajude  a apoiar este projeto https://tinyurl.com/poilhias
02:15
May 22, 2020
# 11 Decreto | Poetas Atuais Contemporâneos | Poema Político| Poesia Declamada
Poema de Jéssica Iancoski em diálogo com o Poema de Paulo Leminski. Descubra mais em www.jessicaiancoski.com Poema: Decreto Autora: Jéssica Iancoski / @Euiancoski Categoria: Poema Político. "No fundo, bem lá no fundo, a gente gostaria de ver o coronavírus resolvido por decreto. Mas não do modo como o presidente tem feito…. - A partir desta data, aquela gripezinha, aquele vírus superdimensionado é considerado inofensivo e sobre ele — vocês podem trabalhar, cambada! A quarentena está extinta por lei E maldito seja quem resolver acreditar nos números. Não há vírus aqui, tá ok? (...) mas o coronavírus não se resolve por decreto, infelizmente." ____ ►► Leia o meu Livro de Poesias de graça no Kindleunlimited  e ajude  a apoiar este projeto https://tinyurl.com/poilhias
00:38
May 14, 2020
# 10 Atropeço Atroz | Novos Poetas | Poema Forte
Poema:  Atropeço Atroz Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Forte. Indicação: Livre https://www.jessicaiancoski.com/ "Não conheci Ana Cristina E demorei à conhecê-la, mas tenho algo dela em mim. Frágil, belo, escondido atrás de um óculos  Escuros que me confundem.  Tenho uma arma para sobreviver, A literatura Caio. Mas a uso para... Disparar Contra os meus pés  - ou seria "A Teus Pés"? A Literatura não me salva de sentir, Ela incentiva. A Literatura não salva das faltas de chão ateus E pensamentos, do desamparo de usar, ao invés do coração, A locução para sentir.  Quando tudo o que deveria era só usá-la para fingir a mim mesmo a minha pessoa. Não é Fernando? A Literatura pode ser uma janela, aberta para o mundo ou um precipício, fechado, em declínio. Depende mais da onde os teus pés te levam  Do para onde você vai. Basta só UMA palavra tropeçada. Ôoo Janela tramela, brincadeira de ladrão claraboiá na minha alma Dúvida no meu coração"  
01:58
April 30, 2020
# 9 A Vida Não é Sobre Nós | Poetas dessa Década | Poema sobre a vida
Poema:  A Vida Não É Sobre Nós Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Vida, forte. Indicação: Livre https://www.jessicaiancoski.com/ A terra não é suja como a nossa vida E vocês tratam a morte como se ela fosse algo ruim. Mas ela não é. A Nossa vida aqui que é ruim. A morte é só a despedida desta vida insone Balda e degregada E o que dói Não foi em quem morre ou parte Dói em quem fica. A morte não é ruim porque a saudades e o egoísmo existem. Quando todos partirem, Não espero que nenhum de vocês volte, Muito menos espero voltar também. Deixem a vida para trás, para baixo e para a Terra. Deixe a vida para os animais que realmente a merecem. A morte é a sustentabilidade da vida pelo seu inverso tentando restabelecer a ordem deste mundo quando perdido. O Homem é humos E não precisa ser mais. Já plantou uma semente no corpo para ver como ela nasce? O homem é melhor que esterco só isso. Não conheço outro jeito de salvar o mundo Se não, não estando aqui. Volte também Ao título deste poema Não insista A Vida não é sobre nós.
01:21
April 16, 2020
#Trailer
Poeta: Jessica Iancoski https://www.jessicaiancoski.com/ Feche os olhos para sentir.
00:36
April 09, 2020
#8 Be-Nary | Robô Poeta | Poema Ironicamente fofo.
Poema:  Be-Nary Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Robô, Irônico. Indicação: Livre https://www.jessicaiancoski.com/ Hello my name is  Nery. I wanted to be a human but a human, I can not be. I don't know if I have one I I don't even know What is to be Me. If I had one Me, I would be binary But most Humans Not even binaries are 010110100
00:29
April 09, 2020
#7 Pingam as Rosas Azuis | Poetas Desconhecidos | Poema Sensível
Poema: Pingam as Rosas Azuis Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Sensível, Melancólico. Indicação: Livre https://www.jessicaiancoski.com/
01:04
March 31, 2020
#Bonus Coronavírus | Poema Curar - Kathleen O ' Meara (1839)
Poema emocionante de Kathleen O ' Meara. Especial Coronavírus. Poema: Curar  Poeta:  Kathleen O ' Meara (1839) Voz: Jessica Iancoski / @euiancoski Categoria: Esperança, cura. Indicação: Livre E as pessoas ficaram em casa. E leram livros e ouviram. E descansaram e se exercitaram. E fizeram arte e brincaram. E aprenderam novas maneiras de ser. E pararam. E ouviram fundo Alguém meditou Alguém orou Alguém dançou Alguém conheceu sua sombra E as pessoas começaram a pensar de forma diferente. E pessoas se curaram E na ausência de pessoas que viviam de maneiras ignorantes, Perigosas, sem sentido e sem coração, Até a Terra começou a se curar. E quando o perigo terminou. E as pessoas se encontraram. Lamentaram pelas pessoas mortas. E fizeram novas escolhas. E sonharam com novas visões. E criaram novos modos de vida. E curaram a Terra completamente.   Kathleen O'Meara (1839-1888)
01:37
March 27, 2020
#6 Folhas Verdes Balançam | Poetas Desconhecidos | Poema Sensível
Poema: Folhas Verdes Balançam Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Esperança, sensível. Indicação: Livre https://www.jessicaiancoski.com/ "As folhas verdes da copa balançam E colorem de amarelo a minha janela Nesta manhã cheia de luz de segunda-feira. No chão ou penduradas Por mais vivas ou secas Grandes ou pequenas Contemplo cada folha que é igualmente vida Espalhando rama no meu corpo para dentro. O mundo consegue ser tão lindo lá fora Quando os meus olhos vestem-se de você E passeiam pelas calçadas Seguindo paralelepípedos Tentando conectá-los com a esperança do olhar. Paralelas e tudo o que se destina  A seguir na mesma direção eternamente  Sem perder a perfeição ou sentido, Mas sem nunca se encontrar. A essência de tudo o que a minha alma toca  Carrega o seu jeito como a verdade Mais a fundo escontida em tudo o que é do universo Mas que por te sentir, Os meus olhos engolem Digerindo qualquer matéria em um sentimento que é meu Um pouco de tudo E muito de você, O brilho mais lindo das meninas nas suas janelas Dizem para que seja vista com deslumbre  O quanto de mim é a mais serena espera Que pode o mundo querer abrigar  Na minha natureza de poeta. Protegendo-a por saber Que mesmo quando tudo e todos lá fora Já tiverem desistido, Aqui dentro, O amor para sempre viverá."  Música de Fundo: Laid Back Guitars de Kevin MacLeod está licenciada sob uma licença Creative Commons Attribution (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/) Origem: http://incompetech.com/music/royalty-free/index.html?isrc=USUAN1100181 Artista: http://incompetech.com/
02:05
March 17, 2020
#5 Abraçar o Mar | Poetas Desconhecidos | Poema Esperançoso
Poema: Abraçar o Mar Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Esperança, mar. Indicação: Livre "Espero o dia Em que eu possa abraçar o mar Pois todo o resto Que resta A água é pouca E eu louca Sem saber muito da forma que leva Pulo de ponta Enquanto a superfície desponta. Cataratas são lindas Mas já sequei de pinga-las pelo olhar Eu quero é abraçar o mar O salgado das lágrimas me é pouco Eu quero o sal das  águas Eu quero a vida toda Milhas e milhas de oceano pra navegar E num mergulho te achar serena Sereia Em tudo o que é profundeza Em tudo o que é decks de areia. Espero o dia Em que eu possa abraçar o mar Sem que toda a água escorra Pelo vão dos meus braços E eu fique ali Parada Vendo tudo o que era meu Tudo o que era mar Numa poça d’agua perder forma Podendo nem o  pé nadar Enquanto abraço Quero que cada gota Percorra cada artéria E veia  minha. Quero sentir o mar desaguar Preencher E transbordar Dentro meu corpo Ao mar quero me fundir pelo abraço E pelo abraço quero desmanchar a minha alma Transformando-a na água mais calma E sem saber muito da forma que leva Quero que a forma me leve Por cada correnteza Porto Certeza Seu corpo. Eu quero é abraçar o mar Milhas e Milhas de oceano E a felicidade pra navegar"
02:01
March 10, 2020
4# Um passarinho me encontrou piando | Poetas Desconhecidos | Poema Forte
Poema: Um passarinho me encontrou piando Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Forte, Blue Bird Indicação: Livre Música: Ezio Bosso - Emily Dickinson, Who Cares About the Bluebird Sing?  "Um Passarinho me Encontrou Piando. Eu vi o seu pássaro voar Escapando da gaiola Pelo azul fugindo ele voou E eu vi o seu rosto se trancar de vergonha Quando você viu que eu o vi. Você quis meter o pássaro na gaiola - Quieto! E eu vi você foi ligeira e tentou Mas ele não quis ficar lá Ele bateu as asas mais rápido E escapou. VLUM. Preciso me confessar, eu também não quis que ele ficasse lá. Não deu para fingir que eu não tinha visto. Você não quis que o pássaro fazendo bagunça fosse o seu Mas eu quis E o seu se encontrou com o meu E meu deus me perdoe não deu pra segurar. Eu vi e você também. A gente se olhou e nossa senhora: Realmente não há limites no céu. Quanta sujeira eles fazem juntos. Mas não dá mais pra segurar. Nossos pássaros querem voar. Então quer saber? Abra a sua mão e feche os seus olhos. Isto é ridículo, não é melhor manter o pássaro preso. Eu quero ter os dois voando. Vamos fazer isto, por favor. Você pode confiar em mim. Você não precisa olhar se não quiser, Mas eu vou E eu guardo o seu segredo Se você guardar o meu E eu te mostro o seu Se você deixar eu te mostrar o meu. O meu pássaro quer voar E quem se importa se ele for azul E cagar por aí. O seu pássaro quer voar E quem se importa se o seu também. Meninas já podem ter passarinhos E mesmo assim eu não conto pra mais ninguém. Vamos, abra as suas mãos E feche os seus olhos. Nossos pássaros vão voar agora E depois a gente limpa a merda deles. Fingimos até que nunca aconteceu. Eu posso te prometer isso. São o mesmo pássaro E eu sei que você vê E se eu gosto tanto quando cantam de manhã Por que me é proibido gostar de ouvi-los piar nas noites mais escuras? Os nossos pássaros querem voar".
03:51
March 04, 2020
#3 Toda saudade em um único Big Bang | Poema sensível.
Poema: Toda saudade em um único Big Bang Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Sensível, Universo. Indicação: Livre Contém música de fundo. "Preciso te dizer algo, Mas feche os olhos por primeiro.  Da onde saímos, Estamos voltando Para onde nós conhecemos, Mas as lembranças, Algumas tantas,  Mas tão raras,  Permanecem E  Pouco a pouco  Ficaram para trás. As memórias Não sobrevivem ao tempo. Não quero me esquecer  Que o barulho do vento Contém muito Do ruído do universo E que a saudade, Assim Como o Big Bang  Se expande de um único ponto  Virando tudo o que existe,  Tangenciável ou não, Ocupando o que há de espaço. É por isso que não posso tocar no que sinto Porque não posso tocar no que viaja no tempo E resiste. É só sentimento. Não quero me esquecer, Que no meio do impossível E da infinidade finita do cosmo Eu encontrei você, Este grãozinho de areia  Tão minúsculo  Que contém a minha resposta para tudo. Não dá para acreditar que a sorte existe, Pois seria menos de uma em sextrilhões, Algo que não sei nem pronunciar. Nem no acaso, Porque os números não ajudam, Existem Muitas estrelas no céu. É impossível contar. Todo ponto de escuro contém bilhões de pontinhos de luz E é exatamente assim que você faz eu me sentir. Só posso acreditar no destino, Pois é a única coisa que ainda faz sentido  Quando suspendo a minha visão o mais alto possível. Isto explica o porquê eu sai de orbita. Você se expande comigo Preenchendo todo vácuo e lacuna  Humano. Basta eu fechar os meus olhos e sentir Para saber tudo o que eu preciso sobre a vida Do inicio Ao fim.   Porque você é o meu milagre."
02:07
February 26, 2020
#2 O meu último poema | Poetas Desconhecidos | Poema Forte
Poema: O meu último poema Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Forte, Intenso. Indicação: Livre Contém música de fundo. "Assim eu queria o meu último poema, Um que eu soubesse te trazer de novo, Mas que nunca seria eu a te mostrar Assim eu queria me desfazer de toda poesia manipuladora, Em versos fortes Que impactassem a sua calma  E que te voltasse em mim  De tal modo que eu me desprendesse de todas as palavras, Pois rimas eu nunca tive o dom, E sabendo ser a poesia o seu ponto mais franco, Queria eu nunca mais utiliza-la Pelo meu egoísmo único e fraco, Puro, De não saber te querer longe de tudo o que os meus dedos nomeiam. Assim eu queria você, De tal modo que eu te tivesse  o dom E sem nunca mais precisar me armar de versos covardes Só para te fazer ficar Depois que eu já te perdido mil vezes  E assim eu faria o meu último poema Com tal sinceridade Que se pra sempre eu fosse saudade A tua presença não viesse mais calhar, E sim, talvez Calar. Pois por mais calados que os meus dedos fossem, Palavras nenhuma te fariam esvaziar E poesia alguma te faria ficar. Assim eu queria você Já tão enfurecida de tanta poesia  Que a solenidade da sua calma  Te bastasse  E que os meus últimos versos, Por ti até pobremente rimassem,  Mas que na sequência  Fossem mudos da vaidade Com que te prendo a mim  Pelo medo de que a sua felicidade Nunca mais me encontre E que eu me veja só  Por tantas palavras desperdiçadas Quando a memória de toda a sua bondade  É o que me faz cantar  Pela ínfima tolerância de não poder ficar  Sem a esperança com que penso  Ser você A razão  De toda falta de sentido  Com quem vivo. Assim queria um último poema,  Que te trouxesse tão fortemente a mim Que você soubesse estar livre, Pois o poema seria o último,  E então você saberia poder ficar, Sem medo,  De toda poesia que te entrelaça, Aproxima  E aprisiona. E então eu saberia ser a última  Com quem me preocupar."
02:18
February 26, 2020
#1 Poesia para o Sol | Poetas Desconhecidos | Poema Triste
Poema: Poesia Para o Sol Poeta: Jessica Iancoski Categoria: Triste, Melancólico Indicação: Livre Contém música de fundo. "Pela manhã O sol afastou as cortinas  Me forçando abrir os olhos só para vê-lo. Ele parecia alegre, estonteante, Mas era demais para as minhas retinas. Foi entontecedor.  E quando eu já estava toda torta, O sol fez um sinal atormentador, Sem economizar na tonalidade amarela com que se impõe o grande soberano tirano da manhã, Fez que ia tomar para si a esperança com que penso tornar os dias melhores para mim. O sol querendo brincar de trampolim não pode ser uma coisa boa. Não tive bondade para aprecia-lo assim E nem disposição para pular com ele Pois me responde Quem é que acorda desse jeito? Guardo os meus pulos para o salto final E é isso. Faz dias que sou chuva E não tinha como não saber e nem ser diferente  É visível que algo em mim foi embora Que mudou que prescreveu que ultrapassou a validade. Então, me reponde: Custava me deixar dormir até mais tarde? Não digo hoje,  Mas todos os dias. Eu não quero mais acordar, até que seja realmente preciso Ou tarde. Eu Já estou atrasada E ainda sim continuo muito cansada.  Eu perdi algo que não sei o que é E  não posso procurar, Se eu soubesse eu iria. Mas também sinto falta demais para fazer algo E como sinto. Tenho certeza que foi culpa da frestinha que deixei aberta, na quarta a tarde. Ou foi naquela quinta pela manhã? Na janela, Só restou as gotas que sequei tão profundamente Que foi preciso chover Para molhar o meu rosto. Me custa saber onde foi que as coisas desandaram  E se não posso mais sentir a alegria com que o sol me empresta o seu corpo todo dia  para vestir em minha pele o dourado brilhante da vida É culpa da letargia  E se ela é letal, Não sei,  Mas que é fetal todo dia em posição na minha cama,  Isso eu não gostaria de saber."
02:17
February 26, 2020