Textos & Trilhas

Textos & Trilhas

By Rowney Furfuro
Nem todas as letras e músicas tiveram a oportunidade de encontrar-se e serem companheiras para sempre. Assim como na vida acontece com os amores. Letra e música devem também ter outra oportunidade. Uma nova oportunidade, onde vale sempre a pena a procura pela felicidade que nem sempre vem na primeira viagem... então a rasura terá valido a pena. Vou reunir textos e propor novas trilhas para as palavras. Como me propus viver. Sempre em busca de algo que talvez só exista no universo delirante de um poeta. Ou talvez não...
Where to listen
Apple Podcasts Logo
Breaker Logo
Google Podcasts Logo
Overcast Logo
Pocket Casts Logo
RadioPublic Logo
Spotify Logo
Jovens sem tempo depois de nós
O Renato Russo não teve tempo e eu, sinto que não tenho tempo a perder. Percebi a olhar para a linha do tempo, o perfil da montanha da vida e constato em êxtase que já passei o cume. A subida foi enérgica, por vezes dura. As agruras do cansaço são bem mais doces do que o sangue amargo que deixei nalgumas pedras. Agora, não tenho mesmo mais, o tempo que passou. Então aceita o convite e me abraça forte. Vamos gritar que já estamos juntos. Distantes de tudo. Não temos mais tempo a perder e descer a montanha será aprender a re-significar. Temperança e resiliência para ver o azul dos teus olhos, na tempestade tão cinza quando teus olhos estiverem castanhos. Temos nosso próprio tempo. Construí e partilharei meu horizonte. Quando chegar à praia e molhar meus pés, quero que sintas que o tempo passou, mas não te preocupes com as luzes. Não tenho mais, medo do escuro. Teremos a certeza de que não foi tempo perdido. Então me abraça forte, somos tão jovens e temos o nosso próprio tempo.
03:54
August 1, 2020
O mar de sal dade
A beleza do mar num encontro a três. Pela primeira vez, encontram-se três ícones que como afluentes de uma história comum, convergem e desaguam num mar salgado pelas lágrimas de uma dor desmedida. A dor de quem vai e a dor de quem fica. Sucumbem ante a força inexorável da natureza que cobra em vidas, as marcas dos rasgos que fazem os barcos, no espelho das suas águas. "O mar, quando quebra na praia é bonito". Obrigado Caymmi e Ferrer por encontrarem-se aqui. Em textos e trilha.
05:14
July 26, 2020
Aroeira desfolhada
Uma ponte sobre o Atlântico. O retrato do tempo reflete-se na cultura. O tempo passa pela cultura sulcando a história da arte. A arte repete no tempo a história da cultura. Estes elementos remetem à memória de tempos que se repetem, traiçoeiros, recorrentes, intragáveis e indeléveis. As marcas deixadas nos homens que marcaram a história do seu tempo, não podem ser vãs. Não devem ser omissas. Devem gritar. No dia que já vem vindo, conforme alerta persistente o amigo Geraldo de outrora ao Ary de sempre, pelas trilhas do Nuno. Todos autores que concedem ao mundo o poder eterno da revolta contra a opressão. Eterno hino, ode a liberdade. Imortal esperança de que na volta, o cipó de aroeira, regresse ao lombo de quem mandou dar.
03:00
July 19, 2020
Cavalo audaz
Quando a audácia reflete mais que as palavras, a ousadia irrompe bravia pelo desafio de ultrapassar os ícones, ou é maturidade ou pura inocência. Seja de que for feito o desafio, os textos são de quem os toma e as trilhas de quem com elas vibra. Este imortal José Carlos Ary dos Santos, uma das minhas referências poéticas mais intocáveis, merecia uma visita. Releitura audaciosa como o cavalo que anda à solta no meu peito. O meu cavalo audaz, o meu amor pertinaz e mais um momento tão sublime quanto fugaz.
04:38
July 12, 2020
Jardim do amor
Os amores e suas quimeras... Manter a esperança e a crença no sentimento que todos gostariam de experimentar, mas acima de tudo receber, é um exercício de sobrevivência e superação permanente. Por vezes as razões para sonhar esvanecem e deixam o amor fenecer.  Mas as palavras do poeta, ornamentam os entornos da vida, realçam o superlativo do belo que aportam no colo quente, regaço de alento perene que se veste do sentimento que floresce.
02:12
July 5, 2020
Espere Morena
A pressa de chegar em cada viagem, em cada ausência, faz a saudade apertar. A premência de estar é maior que os escolhos no caminho da presença. É a ausência como uma vergastada, que abre olhos e caminhos para verdadeira magnitude da presença. A estrada é longo e atribulada, mas a calma e a paz da chegada, são o bálsamo e a pedra de toque. Luis Gonzaga do Nascimento empresta o Texto e Dan Lebowitz, a trilha. Assim se compõe a mensagem de onde venho, para onde vou. Para nunca mais voar.
02:30
June 28, 2020
Ela e o caderno
Foi a partir das reflexões de uma amiga muito recente. Ela partilhava a riqueza de ter, ao longo de sua vida, sempre presente um caderno. Ali anotou de forma aleatória, momentos traduzidos em palavras. Foi ouvi-la que acicatou a vontade antiga de trazer esse magistral Poema de Toquinho e Lupcínio ao Textos & Trilhas. Nada acontece por acaso e por ter sido Ela quem me incitou a realização do desafio, nada mais justo que juntar Ela (She), da obra prima de Costelo, ao caderno dela. Seu nome é Paula e seu caderno é um Momento.
03:00
June 21, 2020
Luz dos olhos teus
Se um dia encontrares uma luz nos olhos de alguém que te faça incendiar, então não resistas e faça como o Poeta Vinicius. Deixe-se levar. Deixa o Texto encontrar outra Trilha e que o fogo desse olhar seja a nova centelha, não resistas e não deixe o paradigma dos amores vividos e perdidos, impedir-te de sonhar.
02:54
June 14, 2020
Imagine
O sonho de um poeta caído, deixa o legado de um sonho que nunca se apagará. Agora com outras vestes em mínimas semínimas e colcheias.  O Poeta John Lennon (autor do texto), que imaginou tão bem um mundo onde não houvesse razões para matar, deixou um legado de vida. Um sopro de esperança eternizado em forma de convite. Que nunca deixemos de sonhar. Com um mundo sem fome, sem ganância, crueldade ou pragas. Em todos os momentos difíceis da história que sucede estas palavras, seu poema renasce. Como que a relembrar, apesar de haver desvios e rasuras, que o caminho é simples. A resposta é um.  A Trilha Pacefull Conclusion, de Asher Fulero, serve de suporte e veste uma tradução livre, mas fiel do poema original.
03:13
June 7, 2020
Textos e Trilhas
Chegamos ao episódio onde o Texto descreve a música e a Trilha canta o Texto. Encantam-se um pelo outro. Esta simbiose que é um regalo de vida onde meus dedos saltam do teclado para as cordas e quando regressam, transformam as letras em notas, as linhas em pautas, o encontro em canção. Essa é a essência deste podcast. Uma dose semanal de emoção.
02:37
May 31, 2020
Rendido
Uma viagem às sombras de uma trilha que passeia entre ritmos eletrónicos algures entre o RAP e a poesia pura e dura. Um Texto sombrio e de figuras fortes. Marcado por um discurso cáustico e pontuado por imagens de metáforas que expurgam o romantismo como numa espécie de catarse. Rendido traz a tona, o sentimento de incapacidade que tantas vezes assombra a nossa intenção de recomeçar, sem jaça, sem pechas. Um grito de resignação e aceitação com aromas de uma discordância latente, que verga sob o peso das evidências. 
04:52
May 24, 2020
Frente a frente
A celebração do amor quando acontece, suave e delicado como os castelos em areia, recupera devaneios. As sombras crescem e alongam-se até ao clímax do ocaso. Quando o sol se esconde na linha do horizonte é varrido pela escuridão da noite. As ondas vem e apagam as memórias desfazem-se os castelos na areia. No dia seguinte, nova luz, areal em branco. Espaço para novos sonhos, novos castelos, oportunidade para fazer renascer a sombra resiliente do amor.
02:28
May 17, 2020
Fun in the sun
Sem pudores nem concessões ao politicamente correcto, os amores são sempre feridos da Síndrome de Poliana. Em certa medida, as paixões aportam até um complexo de Cinderela. Mas por que é que não se pode sonhar. Afinal a vida imita a arte ou a arte imita a vida? É bom ser audaz e desafiar os tratados relacionais, e vender sonhos em doses moderadas de fantasia. Um romance naif de vez em quando, mesmo picante, acicata a vida!
02:40
May 10, 2020
Vamos celebrar
Quando completei um mês de reclusão auto-imposta, era bombardeado por companheiros de cárcere que distantes dos olhos, mantinham-se perto o suficiente para que a sua energia cessante, clamasse por uma boa dose de reforço positivo. Já por muitos momentos da minha vida, deparei-me com textos do Oswaldo Montenegro que pareciam ter sido enviados pelo Universo. Pensei em como gostaria de enviar uma forte rajada de alegria e gratidão pela vida e lembrei-me que celebrar a beleza de tudo que eu gosto, dito pelas palavras de outro que se encontraram com uma trilha de sorriso fácil! No embalo de uma onda rítmica que passeia pela beleza das coisas simples, fica o convite a quem me ouvir: Vamos Celebrar!!!
03:42
May 3, 2020
Tudo de ti
Sim, é verdade. A década de 70 do século XX, foi uma década de ligação. Foi nessa década que descobri o amor embalado pelos trinados de teclados que marcavam o ritmo dos corações com seus vibratos exuberantes. Mas foram precisos muitos anos, para que um poema de amor do século XXI se encontrasse com uma música do mesmo século, num enlace de cores tão psicadélicas que as palavras entraram num túnel do tempo caleidoscópico. Assim seria um estilo musical moderno se o poema de hoje encontrasse a música de há 40 anos. E ambos dessem um ao outro, tudo de si.
03:14
April 26, 2020
Aurora
Quem nunca experimentou uma longa e inesquecível noite de amor, a revelar-se com o sol de um novo dia? Há momentos em que as palavras ganham uma força tal, que ultrapassam os limites do sentido. Exalam a plenitude da paixão. São capazes de desenhar imagens com tamanha nitidez que por si mesmas, ganham movimento e transformam-se num curta-metragem. A trilha, como num bailado, cobre o plano cinematográfico. Cúmplice, vai servindo de cenário para um amor, segundo Vinícios de Morais,  infinito enquanto dure. 
01:27
April 19, 2020
Valsa Moderna
O novo paradigma das relações, passa-se num mundo que não existe, mas que reluz de forma inebriante. Marina e Cláudio conheceram sem nunca se ter conhecido. A valsa que embala esse conto moderno, revela que apesar da tecnologia, nada mudou nas relações humanas. A sedução e o encantamento descobriram novos trilhos para os mesmos contextos. O casal desenvolve seu bailado em dois mundos paralelos que só se encontram nas suas fantasias e desejos. Como numa valsa de Cinderela e seu príncipe, ambos mantém viva a fantasia dos que procuram o que talvez nunca encontrem. Ou quem sabe, acabam de encontrar. O final da história, vamos contar juntos. Apesar de não nos encontrarmos!
09:46
April 12, 2020
O meu momento
Em todos os momentos em que me perdi, encontrei nos textos um trilho para me recomeçar. Na trilha de Unicorn Heads mergulhei outras tantas vezes para na essência de um eu profundo, lavar meus fantasmas e exortar minha coragem. No caminho cansado, partilhado no texto de Pedro Abrunhosa, tirei a toalha do chão, agarrei as palavras e numa chuva divina despedi-me para sempre da ferida que dói, não por fora. Por dentro. O mundo é apenas um momento.
05:45
April 5, 2020
A filha que me escolheu
Quando eu soube da sua existência, alguma coisa mudou. Não estava ao seu lado, mas ela nunca mais saiu do meu. A primeira das três filhas, não veio de mim, veio para mim. Fui ao seu encontro na foz da sua vida. Mal pressentiu a minha chegada, esticou os braços e veio ao encontro da nossa história. Embora a vida nos mantivesse juntos a espaços, nosso amor nunca foi intermitente. Contar a história e partilhar é para nós uma oportunidade de dizer ao mundo que a paternidade é apenas amor. Onde vá, onde quer que ela vá, o nosso amor tem brilho, irei sempre ver o seu sinal. Por isso juntei ao meu texto um poema do Oswaldo Montenegro - Por Brilho.
05:47
March 29, 2020
Porto seguro
Numa tradução livre do clássico Bridge over Troubled water de Simon and Garfunkel, a minha leitura de uma viagem em águas revoltas. Ser pai e amigo é responsabilidade a dobrar. Ser pai é aninhar, ser amigo é amparar. Ser pai é ser porto seguro. É ser a ponte que se ergue para atravessar os rios turbulentos na longa caminhada, mas acima de tudo, a maior e verdadeira felicidade.
02:35
March 29, 2020
Sofismas
Do baú das memórias, renasce um dos poemas que escrevi para o livro que nunca chegou a sê-lo. Quando, passados alguns anos de distância, compus esta música, trazia na mente uma coreografia encomendada por uma professora de Ballet. E não é que ao apresentá-los um ao outro, a música encantou-se pelo poema e... nunca mais se separaram. O Moto perpétuo da melodia associado à repetição das evidências, servem um ao outro, o propósito de voltar a estrada, recomeçar como todos os dias acontece nas sucessivas alvoradas.
02:32
March 29, 2020
Tema para Taynah
Aos 15 anos, tenho a sensação de que o tempo muda. Entramos noutra dimensão. A memória dos meus 15 anos era ainda tão presente quando a minha filha mais nova lá chegou, que sem estar preparado, apercebi-me que se fechava de vez para mim. Naquele instante, me dei conta de que já não haveria mais andar com as filhas ao colo. Não haveria mais os serões a contar-lhes estórias. Não haveria mais aqueles quatro olhinhos ávidos pelo momento de o pai as embalar e embrulhar-lhes os lençóis à volta do corpo, num aconchego que mais do que um gesto, era um aconchego de alma.
04:09
March 29, 2020
Metade
Sobre um poema de Oswaldo Montenegro, uma releitura com um novo encontro de uma outra base musical. Um interpretação diferente que procura um outro sentido para as mesmas palavras. Um nova união. Uma espécie de catarse onde a constatação do EU ganha um patamar de consciência quase panfletária. Anuncio ao mundo que eu sou assim. Se gostar, aproveite e absorva. Se não gostar, fica a advertência para se manter a distância.
03:14
March 29, 2020
Amigo
Trinta e cinco anos depois, reencontrei um amigo, com quem não tive qualquer contacto ao longo deste período. A amizade omnipresente e omnisciente capaz de superar o tempo e a distância. Monolítica e inestimável. Eu deixei tantas vezes passar o tempo, sem dizer a algumas pessoas, tudo quanto deveria ou queria ter dito. Antes que me faltasse tempo, pelas palavras do poeta Vinícios, quis trazer à consciência que sobreviveria à perda de todos os meus amores, mas enlouqueceria se me morressem todos os amigos. A amizade é retratada sob a forma de um amor de escala não mensurável. Um texto de Vinícios de Moraes, onde a referência ao valor da amizade reflete a sua importância na vida de todos.
03:25
March 29, 2020