Skip to main content
Conversê du Cinéma

Conversê du Cinéma

By Lipe Fonseca
Um podcast sobre seu filme favorito. Pessoas queridas convidadas para relembrar quando viram seu filme favorito pela primeira vez e o que mudou desde então.
Listen on
Where to listen
Apple Podcasts Logo

Apple Podcasts

Breaker Logo

Breaker

Google Podcasts Logo

Google Podcasts

Pocket Casts Logo

Pocket Casts

RadioPublic Logo

RadioPublic

Spotify Logo

Spotify

#16 Saia dessa vida de migalhas, mas Fuja depressa. Corra!
Sonhar só não dá em nada, é uma festa na prisão. Mas gravar episódio do podcast tá liberado. Em semana de muita entrega no mestrado da vida, a gente acaba cortando na carne que é própria. Convoquei Adriana Calcanhotto – sem que ela saiba – para abrir o episódio, ela sempre me ajuda a não me sentir tão só. Ao som de Mulher Sem Razão, que apareceu primeiro no álbum Burguesia, do Cazuza de 1989, gravei um papo reto, direto e bastante musical sobre dois filmaços de suspense, terror e cagaço. O Corra! [Jordan Peele, EUA, Japão, 2017] era uma vontade antiga de encaixar aqui no podcast. A sinopse, pra quem não lembra, é mais ou menos esta: um fotógrafo chamado Chris vai conhecer a família da namorada, a Rose. Juntos, essa galerinha vai aprontar altas confusões e viver grandes aventuras. Qualquer coisa além disso seria spoiler. O outro é uma surpresa recente. Fuja [Aneesh Chaganty, EUA, 2020]. Sarah Paulson arrasa sempre, mas aqui o filme tem outros elementos que também merecem a atenção. A trama é misteriosa e a gente vai descobrindo o que tem na caixa misteriosa do João Kléber junto com uma personagem. Chloe [Kiera Allen] vive em uma cadeira de rodas, toma muitos remédios e quase não sai de casa. Ela começa a desconfiar que a mãe [papel da querida Sarahinha] tem algum cadáver no armário. E o resto é spoiler pra boi dormir. Dois filmes de tensão para aliviar a tensão do noticiário, da vida real. Curti muito revisitar o Corra! e conhecer o Fuja, espero que gostem. Recomendações deste episódio Canal Super 8 / Otávio Uga Saga Lusa [Adriana Calcanhotto, Editora Cobogó, 2008] Redes Sociais Conversê du Cinéma: Twitter [@converseducine]
10:07
April 12, 2021
#15 Júlio de Ló e o custo de um amanhã sem preço
O amanhã é algo que se vende por quilo ou já vem embalado de fábrica? A resposta eu não tenho, mas meu convidado tem. Sempre ligado no modo advanced de filosofia contemporânea, o comunicólogo Júlio de Ló aproveitou o filme O Preço do Amanhã [Andrew Niccol, EUA, 2011] para falar sobre o tempo, as telas, a intensidade da vida e aquele relógio maneiríssimo que o Justin Timberlake usa no filme. Esse filme é do mesmo diretor de Anon, S1m0ne e Gattaca. Andrew Niccol é também autor de O Show de Truman, aquele filmaço. Falamos sobre estas questões todas e como elas se relacionam a partir daquilo que o diretor quer provocar. Recomendações deste episódio Anon [Andrew Niccol, EUA, 2018, Netflix] Gattaca [Andrew Niccol, EUA, 1997] S1m0ne [Andrew Niccol, EUA, 2002] O Show de Truman [Peter Wier, EUA, 1998]\ Sense8 [Netflix, 2015] Eles Vivem [John Carpenter, EUA, 1988] Samba de Verão [Caetano Veloso no Spotify] Ella Fitzgerald cantando One Note Samba Redes sociais Júlio de Ló: Instagram / Facebook Conversê du Cinéma: Twitter (@converseducine)
52:00
April 5, 2021
#14 Ryan Gosling é minha garota ideal
Toda vez em que aparece um anúncio do tipo "clique aqui para ganhar um milhão de dólares" eu penso que, se uma pessoa pode ganhar tudo isso com um clique, ela não vai ficar contando por aí. Uma ideia assim a gente não anuncia num link de hipertexto, a gente conta, no máximo, pros amigos. E olhe lá. Eu contaria pra minha cadela, mas com a condição de que ela não latisse pra mais ninguém. Neste episódio, valendo mais do que barras de ouro, falo um pouco sobre a trajetória do Ryan Gosling, o multifacetado canadense dono do mundo. Desde os 13 dançando e encantando, ele fez muito filme fora do mainstream, o que aumenta ainda mais o nosso amor. Difícil lidar com esse sentimento, querido Ryan. Passando rapidamente pela obra dançante La La Land, o nosso foco é o Lars and The Real Girl, que aqui decidiram chamar de A Garota Ideal. Filmaço de 2007, é quase tão bom quanto uma caldo de milho verde em noite de finalzinho de outono - em 3 meses esse comentário vai fazer sentido. Espero que goste deste episódio curtinho. Recomendações do episódio O Gene Egoísta [Richard Dawkins, 1976 . Cia das Letras] Zombie Musical [Ryan McHenry, Canadá, 2011] Anna e o Apocalipse [John McPhail, Reino Unido, 2017] La La Land [Damien Chazelle, EUA, 2017] Zumbilândia. Atire Duas Vezes [Ruben Fleischer, EUA, 2009] A Garota Ideal [Craig Gillespie, EUA, Canadá, 2007] Redes Sociais Twitter: @converseducine
09:53
March 29, 2021
#13 Julia Longo e as Memórias do Subdesenvolvimento
"Hay que endurecerse, pero sin perder jamás la ternura". É quase certeza que o Che Guevara não disse essa frase, mas quem é íntimo dele sabe que ele poderia, sim, ter dito. O dito pelo não dito, a gente fica com o que pode ser visto e revisto, como é o caso do filme cubano Memórias do Subdesenvolvimento [Tomás Gutiérrez Alea, Cuba, 1968]. A escolha da cineasta Julia Longo trouxe "una onda caribeña" e revolucionária para o podcast, um filme clássico que é praticamente uma aula. Na conversa, falamos sobre viagem dela pra Cuba, dos latinoamericanos e sobre o isolamento que este filme aborda sem falar de isolamento. É quase um documentário sobre a ilha pós-Revolução e também um tratado sobre todos nós, colonizados. Um filme que ajuda a descolonizar o olhar e dá aquela vontade de tomar um mojito. Recomendações do episódio Miguel Littín [cineasta] no Wikipedia A aventura de Miguel Littín clandestino no Chile [Gabriel García-Márquez, Editora Record, 1988] Terra em Transe [Glauber Rocha, Brasil, 1967] Buena Vista Social Club [Wim Wenders, Alemanha, EUA, Reino Unido, Cuba, França, 1999] Marina de La Riva Redes Sociais Julia Longo: LinkedIn Conversê du Cinéma: Twitter [@converseducine]
42:51
March 22, 2021
#12 Amor, Sublime Amor quase cantarolado por Anderson Perri
O primeiro episódio musical a gente nunca esquece. Embora a música tenha sido um elemento importante em todos os filmes comentados até aqui, em Amor, Sublime Amor [Robert Wise, Jerome Robbins, EUA, 1961] a canção está no primeiro plano. Nosso convidado, o jornalista, roteirista e produtor de TV Anderson Perri, escancarou a paixão por musicais e aproveitou o enredo de West Side Story para falar de latinicidades, gênero e dessa vontade de sair por aí cantando de braços abertos em uma área descampada com voz falsete. Claro que também mencionamos A Noviça Rebelde e Cantando na Chuva, esses dois clássicos com marketing equivocado. E resgatamos o episódio de Glee baseado no filme de 1961 que, em breve, ganha um remake dirigido por Steven Spielberg. Onde assistir Amor, Sublime Amor: Telecine ou comprar DVD na Amazon. Recomendações do episódio Broadway Melody [Harry Beaumont, EUA, 1929] O Espelho Tem Duas Faces [Barbra Streisand, EUA, 1966] Hamilton [Lin-Manuel Miranda, EUA, 2015] A Noviça Rebelde [Robert Wise, EUA, 1965] Trilha sonora de West Side Story Glee: 3x02 [I’m a Unicorn] Redes sociais Anderson Perri: Instagram (@andersonperri) Conversê du Cinéma: Twitter (@converseducine)
36:38
March 15, 2021
#11 Muriel Valencia e todas as mulheres de O Piano
Tananananinam tanananam tanananam. Escrito assim até parece feio, mas quando tocado num piano, nossa, fica lindo! Essa inspiração musical veio a partir da conversa com a Muriel Valencia, nossa primeira convidada peruana, exportada ao Brasil e agora está na Itália. No Dia Internacional da Mulher, publicamos o Conversê du Cinéma sobre o filme O Piano, um clássico de 1993 dirigindo por uma das cinco mulheres indicadas ao Oscar® chamada Jane Campion. Pois é, foram só cinco até agora. Mas se tudo der certo, em 2021 teremos novos nomes femininos indicados aos prêmios de direção. Amém. O Piano, se é pra falar de Oscar®, fez bonito quando Holly Hunter garantiu o prêmio de melhor atriz e Anna Paquin, muito antes de ter o pescoço cobiçado por vampiros ou se tornar mutante, brilhou aos nove anos levando pra casa o prêmio de melhor atriz coadjuvante. No Brasil, atualmente dá pra assistir no Telecine ou no Looke. Na conversa também aproveitamos para falar sobre liberdade, identidade, desejo e molho à bolonhesa. Apresentação e edição: Lipe Fonseca Recomendações do episódio Contracorriente [Javier Fuentes-León, Peru, 2009] Call my agent / Dix Pour Cent [Netflix, 2015] True Blood – box [comprar] True Blood – assistir [HBO, 2011] Não há tempo a perder [Amyr Klink. Editora Tordesilhas, 2016] Redes Sociais Muriel Valencia: Instagram [@murivalencia] Conversê du Cinéma: Twitter [@converseducine]
45:44
March 8, 2021
#10 Um diretor, dois bons filmes: Medianeras e Las Insoladas
Nem todo filme argentino é bom: muitos deles são ótimos! Pra mim, Medianeras [2011] e Las Insoladas [2014] são dois exemplos que merecem muito serem vistos e revistos. O primeiro, um filme de amor baseado nos desencontros da vida, enquanto o segundo é uma comédia literalmente ensolarada em que seis amigas se bronzeiam para um concurso de dança. O diretor Gustavo Taretto acertou nessas duas vezes e se tornou um querido de quem ama cinema. Eles marcaram muito minha experiência com o cine argentino, espero que também goste! Redomendações do episódio Medianeras [Gustavo Taretto, Argentina, 2011] Las Insoladas [Gustavo Taretto, Argentina, 2014] Jogo da Amarelinha [Julio Cortázar. Cia. das Letras, 1963] Miranda! [Spotify] Redes sociais Twitter: @converseducine
10:05
March 1, 2021
#09 Susto no Zoom em Cuidado Com Quem Chama
Nosso primeiro episódio sem convidado, sem spoiler, sem pé, nem cabeça. Quero dizer, tem pés e eles aparecem em um momento nada agradável no filme Cuidado Com Quem Chama [Rob Savage, EUA, 2020]. O enredo do filme: no começo da pandemia, um grupo de amigos se reúne pela ferramenta Zoom para invocar os mortos. Exato. Invocar. Os mortos. Pelo. Zoom. E não é que o filme é bom? Mais do que jump scare, ele cria aquela tensão que faz a gente querer adiantar o filme, olhar pro lado, lembrar de filhotinhos de border collie... É um filme curto, tem menos de 1 hora. E, ah, antes que alguém pergunte, sim, tem na Netflix. Filmes indicados no episódio Cuidado Com Quem Chama [Rob Savage, EUA, 2020] Dawn of the Deaf [Curta do Rob Savage, EUA, 2016] Madrugada dos Mortos [Zack Snyder, EUA, 2007] REC [Jaume Balagueró, Paco Plaza, Espanha, 2007] A Bruxa de Blair [Eduardo Sánchez, Daniel Myrick, EUA, 1999] Atividade Paranormal [Oren Peli, EUA, 2007] Trailer usado para provar um argumento Invasão a Londres [Babak Najafi, EUA-Reino Unido-Bulgária, 2016] Livros indicados Sociedade Excitada - Filosofia da Sensação [Christoph Türcke. Editora da Unicamp, 2010] Enterrem Seus Mortos [Ana Paula Maia. Cia. das Letras, 2018] Contato Twitter: @converseducine
11:09
February 22, 2021
#08 André Campos Filippe e os queridos dinossauros de Jurassic Park
Barney, Dino ou Blue: qual seu dinossauro favorito? O meu é uma lista. Seres extintos, eles voltam à vida pelas mãos de um diretor que pode contar histórias de tubarão, extraterrestre e robôs. Falamos disso com o André Campos Filippe porque ele trouxe pra pauta o Jurassic Park [Steven Spielberg, EUA, 1993], vencedor de 3 Oscars® e do nosso coração jurássico. Aproveitamos para conversar sobre subtramas desse filme como corporativismo, ciência e cinema de fantasia. Entre as curiosidades, falamos como Steven Spielberg batalhou contra Steven Spielberg no Oscar® 1994 - e, alerta de spoiler! - ele acabou ganhando. Também lembramos da descoberta do Uberabatitan riberoi, o dino brasileiro encontrado em Uberaba. Livros recomendados .500 perguntas e respostas sobre os dinossauros [Tradução de Mônica Krausz. Editoria Girassol, 2018] Filmes e séries recomendados .Tubarão [Steven Spielberg, EUA, 1975] .Filmes que marcaram época [Netflix, 2019] .História de um casamento [Noah Baumbach, 2019] .Big Little Lies [HBO, 2017] Redes Sociais André Campos Filippe: Instagram Conversê du Cinéma: Twitter / E-mail
50:09
February 15, 2021
#07 Rodrigo Daniel Sanches e o dilema da Rede de Intrigas
Ao ser demitido, o apresentador de um telejornal anuncia que vai se matar ao vivo. Ironicamente, é assim que ele consegue o emprego de volta e dá origem ao roteiro de Rede de Intrigas [Sidney Lumet, EUA, 1976]. O convidado Rodrigo Daniel Sanches, professor universitário e pesquisador, escolheu um filme que renderia mais de um episódio, poderíamos fazer uma série de TV, mas isso seria metalinguístico demais. Na conversa, aproveitamos para pensar um pouco sobre essa fronteira frágil entre jornalismo e entretenimento. E sobre filmes do Sidney Lumet, mas é claro. Espero que gostem. Livros recomendados .Notícias – Manual do Usuário [Alain de Botton. Editora Intrínseca, 2015] .Psicologia Cultural da Mídia [Giuseppe Mininni. Edições Sesc, 2008] .Vida de repórter [José Maria Mayrink. Geração Editorial, 2002] Filmes recomendados .O Dilema das Redes [Jeff Orlowski, EUA, 2020] .O quarto poder [Costa-Gavras, EUA, 1997] .Corra, Lola, Corra [Tom Tykwer, Alemanha, 1998] Redes Sociais .Rodrigo Daniel Sanches: Instagram / Facebook .Conversê du Cinéma: Twitter / E-mail
44:44
February 8, 2021
#06 Letícia Spinardi, Chef e filme de dar fome
Un, dos, tres, un pasito pa'lante María. Nosso episódio mais latino começa e termina ao som da trilha sonora do filme Chef [Jon Favreau, EUA, 2014]. Minha convidada foi a primeira pessoa que entrevistei na vida. Dezesseis anos depois, a publicitária e especialista em marketing digital, Letícia Spinardi, aceitou nova entrevista e, nessa conversa comemorativa, a gente reflete sobre nosso contexto. A busca pelo sonho, o respeito pelos outros e a vontade de comer a imagem da televisão em momentos de MasterChef são alguns dos assuntos abordados. Recomendações deste episódio .Chef – El Jefe Soundtrack .Chef’s Table [Netflix, 2015] .The Chef Show [Netflix, 2019] .Pegando Fogo [John Wells, EUA, 2015] .Julie & Julia [Nora Ephron, EUA, 2009] .Como Água Para Chocolate [Alfonso Arau, México, 1992] Nossos contatos Twitter: @converseducine E-mail: ffonseca.jornalista@gmail.com
47:31
February 1, 2021
#05 Kelly Laenia, Pequena Miss Sunshine e tutorial para empurrar kombi
Sugerimos pra banda Devotcka tocar nesse episódio especial pré-vacina, mas como não foi possível, usamos parte da trilha sonora do Pequena Miss Sunshine [Valerie Faris, Jonathan Dayton, EUA, 2006]. Aliás, esse filme é o tema dessa conversa. Kelly Laenia, jornalista e convidada, escolheu uma ótima história para assumir publicamente que ela também já empurrou carro na adolescência. Quem nunca? Valerie Faris e Jonathan Dayton já dirigiram muito videoclipes e essa Kombi amarela que foi empurrada pelo maior especialista em Marcel Proust dos EUA. A história da menina que deseja ser miss é um abraço quentinho, como diria Olaf, e quando sobe o som do violino, entra um cisco maroto no olho da gente. Recomendações desse episódio .Laranja Mecânica [Stanley Kubrick, 1971] .Babel [Alejandro G. Iñarritu, 2006] .Dark [Netflix, 2017] .Boneca Russa [Netflix, 2019] .O Fim [Fernanda Torres, Cia. das Letras, 2013] .The Morning Show [Apple TV, 2019] .Teste de daltonismo.
46:42
January 25, 2021
#04 Daniele Figueiredo e aquela pirueta final do Cisne Negro
Abrimos o episódio ao som de O Lago dos Cisnes, na versão da Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte. A conversa foi com a relações públicas Daniele Figueiredo sobre o filme Cisne Negro [Darren Aronofsky, 2010]. Já são mais de 10 anos desde que a gente viu a Natalie Portman rodopiar mais que o Pião da Casa Própria e passar para o lado negro da força. Como a sinopse do filme não é tão simples assim, a gente resgata a história e suas muitas camadas nessa conversa pra lá de alucinada. Relembramos nossas primeiras vezes com esse filme, resgatamos curiosidades dos bastidores e demos um jeito de falar sobre os anos 1980. Por que não? Recomendações deste episódio A Hora do Pesadelo [Wes Craven, 1984] Tchaikovsky no Spotify Spin Out [Netflix, 2020] Minha História [Cia. das Letras, 2018] Prólogo, Ato, Epílogo: Memórias [Cia. das Letras, 2019]
46:12
January 18, 2021
#03 Ana Paula Novaes, Curtindo a Vida Adoidado e sessões das tardes
Existem dívidas que nos dão prazer quando são finalmente pagas: assistir ao filme Curtindo a Vida Adoiado [John Hughes, 1986] é uma dessas. A jornalista e podcaster Ana Paula Novaes escolheu essa história para resgatarmos o tempo em que nossos maiores dilemas duravam um dia e os filmes eram parte de uma sessão da nossa tarde, um verdadeiro cinema em casa ;) Com todo o direito aos spoilers, falamos também sobre a dublagem típica desses filmes 1980/1990, sobre afundar-se no sofá e, num momento BuzzFeed, quem é você em Curtindo a Vida Adoidado. Indicações desse episódio: Japão Sem Escalas: podcast apresentado pela Ana Paula Novaes e pela Tatiana Aoki. O Clube dos Cinco [John hughes, 1985] A Garota de Rosa-Shocking [John hughes, 1986] Flashdance - Em Ritmo de Embalo [Adrian Lyne, 1983] Dirty Dancing - Ritmo Quente [Emile Ardolino, 1987] Onde assistir Curtindo a Vida Adoidado: - Telecine [assinatura] - YouTube [aluguel ou compra] - Numa Sessão da Tarde perto de você Nosso e-mail: ffonseca.jornalista@gmail.com
43:44
January 11, 2021
#02 Vanessa Spirandeo, trocadilhos e Sociedade dos Poetas Mortos
O filme passou dos 30, mas é muito atual: Sociedade dos Poetas Mortos [Peter Weir, 1989] é sobre carpe diem. E muito mais! Ele traz Robin Williams no papel de um professor que incentiva seus alunos a questionarem o status quo, recita poesia, manda beijo para o Lord Byron. A dica é da jornalista e especialista em Marketing Digital, Vanessa Spirandeo, com quem conversei sobre as 497 vezes em que ela assistiu ao filme, inclusive com o filho. Uma correção: o nome do outro filme estrelado pelo Robin Williams é Retratos de Uma Obsessão, e não Obsessão como eu disse. REDES SOCIAIS Vanessa Spirandeo Instagram: @vainessadigital Twitter: vainessadigital LinkedIn: Vanessa Spirandeo
43:20
January 4, 2021
#01 Igor Carvalho e o Central do Brasil: um filme sobre amizade
A escolha de Igor Carvalho, jornalista e especialista em roteiro, não poderia ser melhor: Central do Brasil [Brasil, 1998] é um história pé na estrada, pé na porta e pé no chão. Nessa conversa, a gente relembrou da[s] primeira[s] vez[es] em que ele viu este filme e do encontro com o ator Vinicius de Oliveira.  Já assistiu este filme? Lembramos que aqui trabalhamos com spoilers e não nos responsabilizamos por eventuais lágrimas vertidas durante o filme.
49:46
December 28, 2020
#00 Conversê du Cinéma [teaser]
Qual é seu filme favorito? Responda sem usar o Google. Este podcast é apresentado por mim, Lipe Fonseca, jornalista, fotógrafo e apenas um rapaz latinoamericano que ama o cinema desde 1984 - sinto que assisti A Lagoa Azul ainda no berço. A cada programa, vou receber um convidado que entende muito sobre seu filme favorito e pode contar desde quando, como, com quem e porque ama aquela história. Já temos programas gravados sobre os seguintes filmes: [conteúdo retirado por motivo de alerta de spoiler]. Entramos oficialmente na podosfera e voltamos ao Twitter: @conversecinema.
01:28
December 24, 2020